quarta-feira, 31 de março de 2010

Serra se despede do Governo de São Paulo

Hoje (31) José Serra (PSDB) realizou a cerimônia de despedida do Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo. O ex-governador deixa o cargo para dar início aos trabalhos de pré-candidatura à Presidência da República. A JPSDB Paraná declara apoio a Serra e disponibiliza seus membros para trabalhar em prol da construção do melhor projeto para o Brasil: o projeto Verde e Amarelo!

Confira o vídeo:



Confira na íntegra o emocionante discurso de Serra:

"Nesta prestação de contas, não pretendo fazer um balanço abrangente e detalhado, não só porque seria demasiado longo, mas também porque nosso Governo não terminou. Temos ainda nove meses com muitas ações, inaugurações e cumprimento de metas firmadas com a população de São Paulo. Vamos ter um novo governador que me acompanhou de perto nestes anos. Conhece tudo do governo, das prioridades de São Paulo, da vida. Um homem íntegro, um engenheiro, um democrata, um patriota, um homem que tem história e tem preparo: Alberto Goldman.

Vou aqui falar dos valores, dos princípios, dos critérios que nos orientaram estes 39 meses e que continuarão a ser o norte dos próximos nove. Vou mencionar várias de nossas ações como exemplos e porque me orgulho do que fizemos, do que estamos fazendo e do que ainda faremos.

Os governos, como as pessoas, têm de ter caráter. Caráter é índole. Ele se expressa na maneira de ser e de agir. E este é um governo de caráter, que manteve a sua coerência: nem cedeu à demagogia, às soluçõesfáceis e erradas para problemas difíceis, nem se deixou pautar por particularismos e mesquinharias. Venho de longe. Se tive, ao longo da vida, uma obsessão, é certamente a de servir aos interesses gerais de São Paulo e do Brasil.Os governos, como as pessoas, têm de ter honra. E assim falo não apenas porque aqui não se cultivam escândalos, malfeitos, roubalheira. Mas também porque nunca incentivamos o silêncio da cumplicidade e daconivência com o malfeito.

Fizemos um governo honrado também porque não fraudamos a vontade popular. Honramos os votos dos paulistas, seu espírito empreendedor e amante da justiça, sua disposição de enfrentar desafios e vencê-los com trabalho sério e conseqüente.

Os governos, como as pessoas, têm de ter sentido de história. Repudiamos o espetacularização, a busca da notícia fácil, o protagonismo sem substância que alimenta mitologias. Este governo sabe que não há nenhuma contradição entre minorar as dificuldades dos que mais sofrem e planejar o futuro. Tantos me aconselharam, nos muitosanos de vida pública, a ser mais atirado, a buscar mais os holofotes,er notícia. Dizem alguns que o estilo é o homem. O meu estilo, se me permitem, é este: procuro ser sério, mas não sisudo; realista, mas não pessimista; calmo, mas não omisso; otimista, mas não leviano; monitor, mas não centralizador.

Os governos, como as pessoas, têm de ter personalidade, brio profissional. Sempre me empenhei em formar boas equipes de trabalho, desde quando fui líder estudantil, pesquisador ou professor universitário, passando pela secretaria de Economia e Planejamento do governador Montoro, pelo Congresso Nacional, pelos ministérios do Planejamento e da Saúde, pela prefeitura da Capital e, agora, pelo governo do Estado.

Além das qualidades de cada um dos seus integrantes, a boa equipe necessita de um norte claro de quem está no comando, do acompanhamento próximo das formulações e da execução das ações, da liberdade e do incentivo para inovar, do apoio nos momentos mais difíceis e do desestímulo aos possíveis e previsíveis conflitos entre esses integrantes. Sempre tive aversão àquelas teses do dividir para governar, de convidar fulano para contrapor-se a sicrano. Perde-se e já se perdeu muito na vida pública brasileira em razão dessa verdadeira anomalia que permeia a política e administração em nosso país.

Aqui, na nossa equipe de governo, sem exceção, pouco importa o papel de cada um, repudiamos o conformismo imobilista. Procuramos sempre alargar os limites daquilo que é percebido como possível. Brio profissional significa preparo, coragem, inconformismo, inovação, luta permanente para construir um presente e um futuro melhor.

Os governos, como as pessoas, têm de ter alma, aquela força imaterial que os impulsiona e lhes dá forma. Nossa alma, a alma deste Governo, que inspira todas as nossas ações, é essa vontade de melhorar a vida das pessoas que querem uma chance, que dependem de um trabalho honesto para viver, que estão desamparadas. É essa vontade de criar condições para que todos possam se realizar na plenitude de suas possibilidades, que tenham a oportunidade de estudar, de ter acesso à cultura, de trabalhar, com saúde física e espiritual.

Os governos, como as pessoas, têm de ter sensibilidade para agir e compensar as desigualdades. Este é um Governo Popular, que se orgulha de ampliar o bem-estar e a oportunidade dos mais pobres com seus programas sociais como o Viva Leite, o Renda Cidadã, o Quero-Vida dos idosos, o Ação Jovem, o Bom Prato, as ETECs, o Programa de Qualificação do trabalhador, o Emprega SP, o piso salarial, que é bem maior do que o salário mínimo nacional. Na crise, agimos com rapidez e geramos apenas em São Paulo quase um milhão de empregos diretos e indiretos com nossos investimentos.

Este Governo Popular se orgulha de redistribuir renda também por intermédio da ampliação qualitativa e quantitativa do atendimento à Saúde, da Educação, do Transporte Coletivo, das novas moradias, da Cultura, do Esporte e do meio ambiente mais saudável. Os governos, como as pessoas, têm de ser solidários e prestar atenção às grandes questões que dizem respeito ao futuro do país e do mundo, mas também às medidas que respondem aos problemas aparentemente pequenos das pessoas — para elas, eles são sempre muito grandes.

Fico emocionado quando lembro que criamos as Vilas Dignidade, moradias decentes para idosos abandonados, ou as plataformas nas praias e cadeiras especiais que permitem às pessoas com deficiência tomar um banho de mar... Alguns dirão que se trata de coisa pequena. Pois, para elas, é imensa! Quem dera a vida fosse, para todos nós, o primeiro banho de mar! Governos, como as pessoas, têm de ter compromisso com a responsabilidade e com a felicidade. Sabem qual foi um dos melhores momentos do nosso governo? Ontem, na inauguração do Rodoanel. Não foi apenas nem principalmente devido à obra, não — que, aliás, expressa o que nossa engenharia tem de melhor.
Quando visitei o canteiro, tempos atrás, sugeri que fosse feito e exibido um painel, ao lado do memorial que ia ser erguido, com o nome dos milhares de trabalhadores que fizeram a obra. Quando fui lá ontem, eu nem sabia que ele já tinha ficado pronto. A emoção me dominou quando, no fim da solenidade da inauguração, um operário mostrou-me, orgulhoso, onde estava seu nome... Lembrei -me de uma poesia do Vinicius, que eu declamava quando era Jogral do Grêmio Politécnico. Pareceu-me que, até então, até aquele momento...
... ele desconhecia
Esse fato extraordinário:
Que o operário faz a coisa
E a coisa faz o operário.
Casa, cidade, nação!
Tudo, tudo o que existia
Era ele quem o fazia
Ele, um humilde operário
Um operário que sabia
Exercer a profissão.

Eu acredito em planejamento. Organizamos as finanças e praticamos uma rigorosa austeridade fiscal. Herdamos e renovamos os padrões do Mário Covas e do Geraldo Alckmin. Austeridade para nós não é mesquinharia econômica, mas cortar desperdícios, reduzir custos, precisamente para fazer mais com o que se dispõe. Com uma área econômica dedicada e criativa ampliamos os recursos sem aumentar impostos – pelo contrário, reduzimos a carga tributária individual e desoneramos setores-chave de nossa economia, como a indústria têxtil, nesta mesma semana.

Por isso, em valores nominais, triplicamos os investimentos do governo de São Paulo nestes quatro anos. Fizemos investimento, não gastança. O maior investimento da história de São Paulo: 64 bilhões d e reais até o final deste ano. Há uma constatação terrível no Brasil segundo a qual os governos investem pouco em saneamento porque se trata de “dinheiro enterrado”. Pois este é um governo que “enterrará” até o final deste ano perto de 7 bilhões de reais em saneamento. Ao fazê-lo, semeia saúde. Renova seu compromisso com o avanço real do estado e do País, não com a sociedade-espetáculo.

A prioridade à Saúde se traduziu em 10 novos hospitais na rede pública; novas fábricas de remédio e de vacina; ampliação do programa de remédio de graça, o Dose Certa; ampliação da distribuição de medicamentos de alto custo; a rede de Ambulatórios Médicos de Especialidades. Muita coisa! Pensamos e agimos sempre voltados Saúde, ao emprego, à Educação, à Segurança. Fizemos grandeesforço na ampliação da infra-estrutura para o desenvolvimento — rodoanel, estradas, vicinais, metrô, trens — porque isso é essencial à expansão da produção, do emprego e do conforto dos que dependem do transporte coletivo. Não só hoje, como para futuro, pelo que traz de condição para o Estado e o Brasil progredirem.

Eu acredito no mérito, na gestão por resultados. Na Educação, pela primeira vez, fixamos metas de avanço por escola, os professores e servidores ganharão mais e progredirão na carreira segundo o seu próprio esforço e o seu desempenho. Demos prioridade à melhoria da qualidade do Ensino, que exige reforçar o aprendizado na sala de aula. E prioridade ao Ensino Técnico, mais do que dobrando as vagas nas ETECs e as unidades das Fatecs, e implantando novos cursos, adequados às necessidades do mercado de trabalho. Não é à toa que se diz em São Paulo que “esse é o ensino que vira emprego”.

Fizemos isso porque acreditamos em prioridades. Washington Luis, quando governador de São Paulo, disse que governar era abrir estradas. Para nós, hoje, o lema é outro: governar é saber quais estradas abrir — as de asfalto, terra ou cimento — e, metaforicamente, quais estradas abrir na Saúde, na Educação ou na Segurança. Ou no saneamento.

Eu acredito em inovação. Tem sido imensa nossa ênfase em pesquisas, que servem não apenas ao Estado, mas ao Brasil: na Saúde, na agropecuária e no IPT, que recebe os maiores investimentos de sua história, com efeitos que se estenderão por décadas, na nanotecnologia, materiais leves e bioenergia.

Praticamos intensamente inovações, que vão da Nota Fiscal Paulista aos avanços do Governo eletrônico; da ambiciosa Lei de Mudanças Climáticas paulista, a mais avançada do Hemisfério Sul, ao moderno Instituto do Câncer e à solução criativa e inovadora dos Ambulatórios Médicos de Especialidades; do ensino técnico feito a partir de salas de aula ociosas em escolas estaduais e municipais ao novo Centro de Reabilitação Lucy Montoro; da Univesp, a Universidade Virtual, aos dois professores na sala de aula da primeira série. Do Acessa Escola ao Protocolo Agroambiental e à linha de financiamento à economia verde; da expansão da Defesa do Consumidor ao novo e bem-sucedido modelo da Fundação Casa; da Virada Cultural aos Museus do Futebol, ao Catavento e ao Museu da História de São Paulo.

Do programa d e recuperação da Serra do Mar, em Cubatão, às novas escolas de Dança e Teatro e a essa extraordinária Biblioteca São Paulo, lá onde era o Carandiru. Das novas modalidades de casas da CDHU às câmeras de monitoramento da Segurança e à proibição do fumo em ambientes públicos fechados. Do novo modelo de diagnóstico por imagens à remodelação de toda a rede de estradas vicinais no Estado.

Governos têm de fazer isso mesmo: por o Estado para funcionar. Trabalhamos pesado nisso. Com a ajuda dos servidores, ganhamos produtividade em todas as áreas. Na educação, estão aí os resultados do IDESP. Na Saúde, pesquisa recente nos hospitais do Estado para verificar o nível de satisfação de quem era atendido mostrou resultados muito positivos. Nos Transportes, pesquisa da CNT mostrou que as dez melhores estradas do Brasil estão em São Paulo; que 75 por cento das estradas paulistas são consideradas ótimas ou boas pelos usuários. Mas nada aconteceu por acaso: é fruto do planejamento do Governo e do esforço e competência dos seus funcionários. Funcionários que são servidores públicos de verdade e que dão o melhor de si quando recebem incentivo e exemplo dos dirigentes governamentais.

Eu acredito que a essência do Governo é garantir a vida, os bens e a liberdade, que constituem os direitos fundamentais dos cidadãos nos marcos do Estado de Direito. O direito à vida envolve, entre outras dimensões, a preservação e a promoção da Segurança. Nesta dimensão, quero reafirmar que São Paulo inverteu, desde fins da década passada, a tendência nacional de aumento da criminalidade. Em dez anos, a redução da taxa de homicídios foi de 63 por cento. Nos últimos três, de 27 por cento. O esforço financeiro tem sido enorme: o orçamento da secretaria da Segurança aumentou mais de 40 por cento entre 2006 e 2010. Aceleramos a marcha do reaparelhamento tecnológico, intelectual e moral das polícias. Fortalecemos sua reputação moral e profissional mediante o reconhecimento do valor precioso de quem se dedica a proporcionar segurança ao povo, correndo risco de vida.

Quando é o caso, promovemos sistemática investigação, apuração e, se necessário, afastamento dos maus elementos. Envolvemos a ação policial na recuperação de vizinhanças com forte presença do crime organizado: a Virada Social, em parceria com entidades não governamentais tão respeitadas quanto o Sou da Paz. Contivemos os riscos da condução de veículos sob o efeito de bebidas alcoólicas.

Eu confio na democracia. Aqui a nossa relação com o Legislativo é transparente e em favor da população. No lugar de nomeações e cabides de emprego, a co-responsabilidade pelo investimento em todas as cidades do estado. No nosso governo, deputados não nomeiam diretores de empresa ou secretários. No nosso governo, deputados ajudaram a estabelecer as prioridades para o desenvolvimento do estado e o bem-estar das pessoas.

Ficará registrada , na historia da Assembléia , com louvor, a produção legislativa desse período por seu vulto e sua relevância na vida dos paulistas. As principais iniciativas do Governo foram, além de acolhidas , aprimoradas mediante emendas e sugestões dos deputados. Me orgulho também da relação de respeito, cooperação e diálogo com o Tribunal de Justiça e com o Ministério Público de São Paulo, inclusive, devo dizer, com a substancial e possível expansão de obras e recursos orçamentários, visando a modernização de suas práticas e serviços, tão essenciais à vida das pessoas e à nossa democracia.

Obrigado, São Paulo, pela chance que me foi dada de governar este grande estado; obrigado aos brasileiros que aqui residem por terem me dado a chance de tornar melhor a vida de milhões de pessoas e de ter me tornado, por isso, um homem melhor.

Aprendi muito nestes 39 meses. Aliás, a minha linha do tempo, desde criança até hoje, sempre foi preenchida por aprendizado. Não canso nunca de aprender. Aprendi muito com esta minha equipe do Governo do Estado. Sempre apreciei da humildade intelectual sugerida por Guimarães Rosa: “Mestre não é quem ensina, mas quem, de repente, aprende”.

Exerci o poder neste estado sem discriminar ninguém. Os prefeitos sabem que sempre encontraram neste governador um interlocutor que falou em defesa de políticas de estado, independentemente da coloração partidária. No meu governo, nunca se olhou a cor da camisa partidária de prefeitos ou parlamentares.

Nossos opositores sabem disso, nossos administradores municipais não deixam de testemunhar nossa atitude voltada a servir ao interesse público, não à máquinas partidárias.

Governamos para o povo, não para o partido.

Na minha vida pública, já fui governo e já fui oposição. De um lado ou de outro, nunca me dei à frivolidade das bravatas, nunca investi no “quanto pior, melhor”, nunca exerci a política do ódio. Sempre desejei o êxito administrativo de adversários quando no poder, pois isso significa querer o bem dos cidadãos, dos indivíduos. Uma postura que nunca me impediu de apresentar as sugestões ou divergências, mas o fiz, e estimulei que meus aliados o fizessem, nos fóruns adequados ao embate político e ao exercício democrático das diferenças.

Estes mesmos adversários, além dos aliados, podem atestar: jamais incentivei o confronto gratuito, jamais mobilizei as falanges do ódio, jamais dei meu apoio a uma proposta ou a uma ação política porque elas seriam potencialmente prejudiciais a meus oponentes. Não sou assim, não ajo assim, não entendo assim o debate político. E não vou mudar, ainda que venha a ser alvo de falanges.

Ao eventual ódio, reajo com a serenidade de quem tem o Brasil no coração. E que ninguém confunda esse amor com fraqueza. Ao contrário, ele é a base da minha firmeza. Ele é a base da minha luta. Ele orienta as minhas convicções.

Outro dia me perguntaram se estaria triste de deixar este Governo e esta equipe. Como poderia não estar? Mas, considerando o que termos pela frente, também estou alegre. Quando olho para trás e vejo o que foi minha vida até agora, repleta de incerteza e de desafios, meu espírito se fortalece. Minha infância e adolescência num bairro operário, presidente da UEE e da UNE aos 20 e 21 anos. Exílio aos 22 anos de idade – voltei ao Brasil com 36 anos...O Cebrap, a Unicamp, o governo Montoro, aqui neste Palácio, quando reconstruímos o Estado e demos a grande luta das diretas. O Plano de Governo de Tancredo. A Constituinte, a Câmara Federal. O Plano Real. O Senado, o ministério do Planejamento, o ministério da Saúde, a prefeitura da Capital.

A honra de sido o primeiro governador eleito no primeiro turno. Olhando para trás e vejo o tudo o que participei, tudo o que fizemos. Isso me dá muita força para a etapa seguinte, que nos espera.

Obrigado, São Paulo, pela confiança! Até 1932, nosso Estado, em seu brasão, ostentava o Non Ducor, Duco.

“Não sou conduzido, conduzo”. Desde então, a divisa passou a ser outra: Pro Brasília Fiant Eximia: “Pelo Brasil, Façam-se Grandes Coisas.” É o papel deste Estado construído por brasileiros de todas as parte

Essa é a nossa missão! Vamos juntos! O Brasil pode mais!

PRÉ-CANDIDATURA DE BETO RICHA ATRAI MULTIDÃO


Aproximadamente 10 mil pessoas participaram do encontro suprapartidário que marcou a desincompatibilização de Beto Richa do cargo de prefeito de Curitiba, na tarde desta terça-feira (dia 30), no Restaurante Novo Madalosso, em Santa Felicidade.

Pré-candidato do PSDB ao governo do estado, Richa renunciou a prefeitura da capital paranaense para disputar as eleições de 3 de outubro.

Em seu discurso, Beto Richa destacou a força e a importância da militância tucana.

"Estava emocionalmente um pouco abalado, em dúvida se tinha feito a coisa certa ao me desincompatibilizar do cargo de prefeito e me colocar à disposição para administrar o Paraná. Mas quando cheguei aqui e vi tantos amigos, fiquei revigorado”, garantiu Richa.

O deputado Valdir Rossoni, presidente do PSDB no Paraná, parabenizou Beto Richa pela ousadia de deixar a prefeitura curitibana para abraçar uma causa maior, desejo de todos os paranaenses.

“Parabéns por sua coragem em atender ao chamado dos seus amigos. Beto, você significa a mudança, a renovação, com certificado de qualidade. Você, que foi considerado por dez vezes o melhor gestor público entre as grandes cidades do país, será nosso candidato e será eleito o futuro governador do estado”, afirmou Rossoni.
Lideranças políticas nacionais e estaduais estiveram presentes ao evento para apoiar a pré-candidatura de Beto Richa. O presidente nacional do partido, senador Sérgio Guerra, veio de Brasília especialmente para cumprimentar Richa, “representando todos os senadores do PSDB”, conforme disse Guerra.

O governador de São Paulo, José Serra, enviou um bilhete elogiando Beto Richa pela determinação, “ao abandonar o mandato de prefeito de Curitiba para entrar numa luta dura pelo governo do Paraná”. De acordo com o “presidenciável” tucano, a atitude corajosa de Beto é uma característica do DNA paterno, herdado do saudoso ex-governador José Richa.

O deputado federal Rodrigo de Castro (MG), secretário geral do PSDB, trouxe o abraço do governador de Minas Gerais, Aécio Neves.

Entre os políticos paranaenses, destaque para o senador tucano Flávio Arns, o deputado federal Affonso Camargo, secretário geral do PSDB-PR, o deputado federal Cezar Silvestri, representando o PPS, os deputados estaduais Cida Borghetti, representando o PP, e Durval Amaral, representando o DEM, o recém-empossado prefeito de Curitiba Luciano Ducci, representando o PSB, e o prefeito de Castro, Moacyr Elias Fadel Júnior (PMDB), presidente da Associação dos Municípios do Paraná (AMP).

terça-feira, 30 de março de 2010

“Quero levar para o Estado o novo jeito de governar que desenvolvemos”


“Os últimos cinco anos e três meses, período em que estive à frente da Prefeitura de Curitiba, foram o melhor e mais importante momento da minha vida pública. Mas saio consciente de que, se for honrado com o mandato de governador, terei condições de continuar servindo à cidade, além de levar para o Estado o novo jeito de governar que desenvolvemos”.


Foi dessa forma que Beto Richa anunciou a decisão, “consciente e serena”, de deixar o cargo de prefeito da capital paranaense para colocar o seu nome como pré-candidato ao governo do Paraná. Durante coletiva para a imprensa, Beto fez um balanço das conquistas da sua gestão. “Fomos além das expectativas mais otimistas e ultrapassamos várias das metas propostas no plano de governo”, destacou.


Beto lembrou que a educação foi prioridade na sua gestão e teve um aumento de mais de 100% no orçamento, passando de R$ 324 milhões, em 2004, para R$ 688 milhões neste ano. Na área da saúde, destacou a construção, reforma e ampliação de 63 equipamentos de saúde, sendo que oito são hospitais de pequeno porte que atendem todas as regiões da cidade. A redução da mortalidade infantil, que caiu de 11,6 em 2004 para 8,9 por mil nascidos vivos no ano passado, e a queda da mortalidade materna, que saiu de 43,4 por cem mil gestantes para 16,1, também foram conquistas da saúde na gestão de Beto Richa.


A segurança pública, que não é responsabilidade legal do município, recebeu forte investimento na gestão de Beto Richa. Durante a apresentação do balanço aos jornalistas, ele destacou o investimento de mais de R$ 30 milhões, a instalação de quatro Núcleos de Proteção ao Cidadão, nove módulos da Guarda Municipal, além de 77 câmeras de vigilância, os investimentos em viaturas e equipamentos e a contratação de 730 novos guardas. Ao fazer o balanço da sua gestão, Beto destacou que a orientação principal foi a ampliação substancial dos investimentos, “marcadamente na inclusão social”, sem abalar as finanças da cidade.


Ele lembrou que foram cinco anos consecutivos de superávit fiscal, graças ao zelo permanente com o dinheiro público. “Reduzimos as despesas de custeio e investimos mais de R$ 1 bilhão em obras, que equivalem a cerca de 9% das receitas municipais, taxa bem superior à média nacional. Com ética e austeridade, conciliamos responsabilidade social e equilíbrio financeiro. Beto destacou ainda a transparência em cada ato. “Democratizamos a administração por meio das mais de 300 audiências públicas nos bairros e vilas da cidade, com a comunidade elegendo suas prioridades e nos ajudando a fazer o orçamento da cidade”.


Ao final, declarou tem a consciência do dever cumprido e a plena certeza de que o dr. Lucinano Ducci, “com entusiamos e competência”, dará prosseguimento às políticas que juntos conduziram na Prefeitura de Curitiba.


Questionado sobre a decisão de apresentar o seu nome como pré-candidato ao governo do Paraná. Beto lembrou que sempre esteve na política para servir e que a pré-candidatura surgiu de maneira natural e aprovada também pela população de Curitiba que também lhe confere quase 90% de aprovação na sua gestão.


“Se for honrado com o mandato de governador, continuarei servindo à cidade e vou levar para o Estado esse jeito de governo que desenvolvemos com diálogo, com parceria com o governo federal e em estreita cooperação com as prefeituras e muito respeito com as pessoas. “Por isso, aceitei o desafio e me submeterei à vontade dos paranaenses”, concluiu.

Fonte: www.betoricha.com.br

Em encontro da JPS, Marcello Richa fala da relação entre as famílias Richa e Silvestri

Um animado encontro reuniu, no domingo, dia 28, membros da JPS (Juventude Popular Socialista), o presidente do Diretório Municipal (Guarapuava) do PPS, Cesar Silvestri Filho, o vereador do PPS Thiago Córdova e diversas lideranças jovens de Guarapuava. O encontro foi organizado pelo coordenador da JPS de Guarapuava, Samuel Silva, o Samuca, e teve como convidado especial, Marcello Richa, filho de Beto Richa e presidente estadual da JPSDB, ala jovem do partido tucano no Paraná. A reunião serviu para aproximar os militantes jovens dos dois partidos e discutir assuntos relacionados a política estadual. Em sua fala, Marcello Richa destacou também a relação de amizade das famílias Richa e Silvestri e a importância da Candidatura de Cesar Silvestri Filho, para a renovação política do Paraná.


Para o coordenador da JPS de Guarapuava, Samuel da Silva, encontros como o realizado neste domingo servem para fortalecer a relação da política com os jovens. “Essa união nos fortalece e faz com que nossos jovens voltem a se interessar pela política. Todos nós só temos a ganhar com isso, por que precisamos fazer com que os jovens voltem a discutir política, voltem a fazer a boa militância e assim contribuir para termos uma cidade, um estado e um país mais democrático e justo”, destacou.

“É muito importante aglutinarmos as forças jovens de Guarapuava, e é extremamente gratificante ver que temos um número grande de jovens que estão interessados em participar ativamente da política e fazer parte de um projeto sério de trabalho que busca dar voz para os jovens”, enfatizou o presidente do PPS de Guarapuava, Cesar Silvestri Filho.

Para o Presidente da JPSDB, Marcello Richa, a participação dos jovens é fundamental para renovação das lideranças e também para “oxigenar” a política paranaense. “Queremos fortalecer esse novo projeto que está sendo construído para nosso Estado e os jovens terão uma participação decisiva”, disse.

Pré-candidatura
Marcello Richa foi taxativo ao destacar a importância do nome de Cesar Filho para a política estadual, ao destacar a sua pré-candidatura a Assembleia Legislativa. “Não apenas eu, mas também meu pai e minha família acreditamos na candidatura do Cesar Silvestri Filho. Sabemos que ela irá ajudar a alavancar a juventude. Essa candidatura é muito importante, por que ela representa uma renovação de idéias e de posturas, e é isso que estamos precisamos”, destacou enfatizando que o nome de Cesar Filho vem ao encontro do que a juventude espera dentro da política paranaense.

“Estou aqui reafirmando essa parceria e amizade entre a minha família e a família do Cesar. Sabemos que a família Silvestri terá uma participação fundamental nesse novo projeto que estamos pensando para o Paraná. O Cesar é um candidato que representa a renovação e nós vemos justamente isso, uma sede de renovação por parte da juventude. Nesse sentido os jovens serão decisivos dentro do processo eleitoral”, concluiu.

Fonte: Site Cesar Silvestri Filho (www.silvestrifilho.com.br)
Foto: JPSDB-PR

segunda-feira, 29 de março de 2010

JPSDB Paraná visita região de Londrina

O presidente da Juventude do Partido da Social Democracia Brasileira, Marcello Richa, visitou no último final de semana os municípios do Norte do Estado. A Caravana da Juventude Tucana do Paraná – iniciativa que tem por objetivo fortalecer o projeto da juventude do PSDB e promover a conscientização dos jovens em torno da importância da participação do processo eleitoral – percorreu 12 municípios em três dias (25 a 27) de viagens. O ponto de partida foi o município de Nova Santa Bárbara, seguida por: São Sebastião da Amoreira, Assaí, Nova América da Colina, Uraí, Jataizinho, Ibiporã, Bela Vista do Paraíso, Primeiro de Maio, Sertanópolis, Astorga e Cambé. As visitas foram realizadas em parceria com o presidente da JPSDB Ibiporã, Diogo Fenti, e com o deputado estadual Durval Amaral (DEM).

Nova Santa Bárbara


Na vista ao município de Nova Santa Bárbara foi realizado um encontro na prefeitura e um almoço com o prefeito Claudemir Valério ”Garrafa” (PSDB), com o vice-prefeito Jozias Piza de Moraes (PMDB) e lideranças políticas locais. Garrafa, como é mais conhecido, lembrou a importância de Marcello levar a mansagem da Juventude Tucana para o interior, e comentou que a praça que fica em frente à prefeitura, receberá o nome de José Richa – avô de Marcello – em homenagem ao trabalho realizado em 1982 quando Governador do Paraná, em que iniciou o processo de reconhecimento de Nova Santa Bárbara como município.


São Sebastião da Amoreira
Os vereadores do município de São Sebastião da Amoreira receberam o presidente da JPSDB Paraná na Câmara Municipal. Segundo Marcello Richa, o intuito do encontro é realizar um primeiro contato e assim organizar eventos com a participação dos moradores do município, principalmente com os jovens. Estiveram presentes: os vereadores Edson Ferreira dos Santos “Cabeção” (DEM), Jomar Cardoso (PSB), Sílvia Maria de Giuli (PSL), Wanderley Monteiro (PP) e o presidente do PSDB local e vereador Genito Severino dos Santos.




Assaí


“Estamos aqui para construir um projeto, onde serão identificadas as necessidades deste município e de todo o Estado, para assim mudar a realidade de vida dos jovens”, declarou Richa, para os vereadores Darlan Araújo (PSDB), Sílvio Guardagni (PSDB), Francisco Soares Neto (PSC), Diego Viana (PMDB), e o jovem suplente de vereador Diego Viana (PMBD), na Câmara Municipal.

Uraí



A Caravana da Juventude Tucana contou com a presença de mais de 50 jovens uraienses, do vice-prefeito Almir Fernandes de Oliveira (PPS), dos vereadores Leonildo Aparecido de Moraes (PRB) e Adilson Ramalho Matta (PR). Marcello Richa encontrou o prefeito Sussumo Itimura (PSDB) em sua residência. A conversa foi alimentada por diversas lembranças do avô de Marcello, ex-governador José Richa. Sussumo Itimura já está em seu quinto mandato à frente da prefeitura de Uraí e tem 92 anos, sendo considerado o prefeito mais idoso do país.


Nova América da Colina
Também com uma visita à Câmara Municipal, o presidente da JPSDB Paraná, se reuniu com lideranças do município. Estiveram presentes o ex-prefeito Elpídio Bezerra, o vereador tucano Luiz Lopes e o presidente do PSDB local João Maria dos Santos.


Jataizinho


A visita ao município se iniciou com uma visita a Rádio Nova Geração – que transmitiu ao vivo a participação de Marcello Richa na Sessão Plenária da Câmara Municipal. Na ocasião, o presidente da Casa, vereador Jorge dos Santos Ferreira (PDT) exaltou a presença de Richa no município e destacou a importância do trabalho realizado para a juventude. Já o vereador Luiz Carlos Pinto Brandão (PSDB) demonstrou apoio à pré-candidatura de Beto Richa ao Governo do Estado. “Faço aqui uma homenagem pelo que Beto representa e já declaro meu voto a ele para governador”, destacou. Além dos demais vereadores do município, estiverm no local o pré-candidato a deputado estadual Hermas Brandão Júnior (PSDB) e o ex-prefeito de Jataizinho Wilson Chamilete.







Ibiporã


Foi para apoiar a pré-candidatura do membro da JPSDB Ibiporã Kleber Machado, que o presidente do JPSDB-PR Jovem, compareceu em evento, no município de Ibiporã. No encontro, que reuniu mais de 40 pessoas, Marcello Richa destacou a importância da renovação do quadro político e a escolha de candidatos que apresentam um projeto voltado para a juventude.


Bela Vista do Paraíso, Primeiro de Maio, Sertanópolis, Astorga e Cambé


Nestes municípios, Marcello Richa foi convidado pelo deputado estadual Durval Amaral para o acompanhar em eventos. No dia 26, em Bela Vista do Paraíso, a reunião contou com as presenças do prefeito Angelo Roberto Bertoncini (PSDB), do vice-prefeito Antonio Augusto Marques de Oliveira (PSL) e do presidente do PSDB municipal Renato Abelha. “Beto Richa, se eleito, fará uma excelente administração em todo o Paraná, assim como fez em Curitiba”, afirmou Abelha.

É no espírito de desejo que o prefeito de Curitiba e pai de Marcello, Beto Richa – pré candidato pelo PSDB ao governo do Estado – se torne Governador, que o prefeito de Sertanópolis Reinaldo Reis (PSDB), recebeu a JPSDB Paraná em um evento com mais de 200 pesssoas. Ao lado do vice-prefeito Tide Balzanelo (PDT), dos vereadores Sérgio Reis (PP), Bruno Santarosa (PTB), Luizão (PT) e Zé Rogério (PTB), Marcello destacou a importância do projeto de juventude ser construído no município, e reforçou realização de outras reuniões na região para diagnosticar os anseios da juventude de Sertanópolis.


A Caravana da Juventude Tucana esteve no sábado (27) em Astorga em encontro realizado a cargo do prefeito Arquimedes Ziroldo “Bega”. Mais de 50 jovens compareceram para um café da manhã, na Câmara de Vereadores, para ouvir a mensagem jovem de Marcello Richa. O último evento desta agenda pelo Norte do Paraná, foi um almoço em Cambé para 300 pessoas. O deputado estadual Durval Amaral (DEM), afirmou a importancia de escolher corretamente o seu candidato para as eleições. “Sempre fui parceiro do Beto Richa. Temos que reconhecer que ele é a melhor opção para o Governo do Estado. Não é a toa que foi eleito por dez vezes o melhor prefeito do país e carrega mais de 80% de aprovação junto aos paranaenses”, disse.

Fotos: JPSDB-PR

317 ANOS: 40 mil pessoas comemoram o aniversário de Curitiba no Barigui


O prefeito de Curitiba, Beto Richa, e o vice-prefeito Luciano Ducci cortaram na tarde deste domingo (28), no parque Barigui, o bolo gigante do aniversário de 317 anos da cidade, celebrado em 29 de março. As comemorações começaram às 10h no parque e reuniram, durante todo o dia, aproximadamente 40 mil pessoas, que aproveitaram as atrações de lazer oferecidas pela Prefeitura e o tempo bom para ser divertir.

"No ano passado, festejamos na praça Santos Andrade e agora, no Barigui. Sempre é com alegria que reunimos um grande número de pessoas para celebrarmos o aniversário de nossa querida Curitiba", disse Richa. "São essas pessoas que fazem dela um lugar tão bom para se viver, pois optamos por fazer uma administração participativa, em que o cidadão discute com a Prefeitura o que é prioridade para a cidade".


A presidente da Fundação de Ação Social (FAS), Fernanda Richa, também participou do corte do bolo dos 317 anos. A banda Lyra tocou o Parabéns pra Você na festa que também teve brinquedos infláveis, cama elástica, jogos gigantes, tênis de mesa e muitas atividades recreativas para diversão de toda a família. A banda Le Figarrô foi outro atrativo musical da festa.


O bolo, de 317 quilos, foi oferecido pelo Sindicato da Indústria de Panificação e Confeitaria do Estado do Paraná e Moinhos Anaconda e distribuído gratuitamente para os participantes da festa, que se organizaram em uma fila para receber seu pedaço, acompanhado de um copo de refrigerante. Vinte profissionais trabalharam para preparar o doce, feito com 100 quilos de farinha de trigo, 90 quilos de açúcar e 2.040 ovos, entre outros ingredientes.



O primeiro pedaço do bolo foi entregue pela presidente da Fundação de Ação Social, Fernanda Richa, para o servidor público aposentado Bernardo Vielgosz. "Essa é a quinta vez que eu experimento o bolo e ele é sempre muito bom, tem o gostinho de Curitiba", contou Vielgosz.

Empresária da cidade de Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, Reni Massoquetto ganhou uma fatia entregue pelo prefeito. "Fiquei até nervosa, emocionada com a gentileza", disse ela.


Participaram da festa o deputado federal Gustavo Fruet, os deputados estaduais Osmar Bertoldi e Ney Leprevost, os vereadores Edson Prado, Tico Kuzma, Felipe Braga Cortes e Serginho do Posto, os secretários municipais do Esporte e Lazer, Rudimar Fedrigo, Antidrogas, Fernando Francischini, do Abastecimento, Norberto Ortigara, a presidente do Instituto Municipal de Turismo, Juliana Vosnika, e o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), Cléver de Almeida.


Festividades - A festa de aniversário de Curitiba começou no início de março, com inaugurações de equipamentos e anúncio de novas obras em todas as Regionais da Prefeitura. A cidade ganhou mais um Restaurante Popular, academias ao ar livre, novo parque, o quinto Parque de Reciclagem, moradias populares, bibliotecas e quadras cobertas em escolas, equipamentos de saúde e obras de pavimentação.


No sábado (27), houve um Dance Mob no Centro, com dança e um Parabéns pra Você moderno. Nas Regionais, também no sábado (27), os moradores conferiram a apresentação de bandas, grupos de dança e folclóricos e teatro de bonecos.


Na segunda-feira (29), dia do aniversário, o prefeito Beto Richa entregará o Centro de Urgências Médicas Boa Vista, o oitavo da cidade, e começará a funcionar o ônibus Ligeirão, que fará o percurso Boqueirão-Centro.

Flash Mob agita a Boca Maldita em homenagem aos 317 anos de Curitiba

sábado, 27 de março de 2010

Serra abre 9 pontos sobre Dilma e se isola na frente

O pré-candidato à Presidência do PSDB, José Serra, abriu nove pontos de vantagem sobre Dilma Rousseff (PT), mostra pesquisa Datafolha publicada na edição deste sábado da Folha. O tucano tem 36% e a petista 27% das intenções de voto.

Na pesquisa realizada em fevereiro, Serra tinha 32% e Dilma 28%.


Ciro Gomes (PSB) ficou com 11% (tinha 12% em fevereiro). Marina Silva (PV) está estacionada e manteve os 8% obtidos no mês passado.


Em um eventual segundo turno, o tucano venceria a petista por 48% contra 39%.


A pesquisa, registrada sob o número 6617/2010, foi realizada nos dias 25 e 26 com 4.158 eleitores. A margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.



Fonte: Folha Online

HORA DO PLANETA

No sábado, 27 de março, entre 20h30 e 21h30 (hora de Brasília), o Brasil participa oficialmente da Hora do Planeta. Das moradias mais simples aos maiores monumentos, as luzes serão apagadas por uma hora, para mostrar aos líderes mundiais nossa preocupação com o aquecimento global.

A Hora do Planeta começou em 2007, apenas em Sidney, na Austrália. Em 2008, 371 cidades participaram. No ano passado, quando o Brasil participou pela primeira vez, o movimento superou todas as expectativas. Centenas de milhões de pessoas em mais de 4 mil cidades de 88 países apagaram as luzes. Monumentos e locais simbólicos, como a Torre Eiffel, o Coliseu e a Times Square, além do Cristo Redentor, o Congresso Nacional e outros ficaram uma hora no escuro. Além disso, artistas, atletas e apresentadores famosos ajudaram voluntariamente na campanha de mobilização. Clique aqui e veja a lista de quem já aderiu.
Em 2010, com a sua participação, vamos fazer uma Hora do Planeta ainda mais fantástica!

COMO VOCÊ PODE PARTICIPAR

Existem diversas formas de participação. A primeira delas é se cadastrar. Clique aqui e informe os dados necessários. É bem rápido. O cadastro dos participantes é a principal maneira que temos de avaliar quantas pessoas apagaram as luzes. Os participantes brasileiros serão somados com os de outros países, formando uma grande corrente pelo futuro do planeta. Os nomes das empresas cadastradas vão aparecer na página Quem Já aderiu. Clique aqui e veja a lista de quem já aderiu.

O próximo passo é espalhar a mensagem da Hora do Planeta para o maior número possível de pessoas. Convide familiares, amigos, colegas e membros da sua comunidade para participarem também.

Se você utiliza as mídias sociais, como Orkut, Twitter, Youtube e Facebook, use essas ferramentas para falar com os seus amigos. Publique as notícias sobre a Hora do Planeta produzidas pelo WWF-Brasil. Dê o link para vídeos e fotos sobre o movimento postados na internet.

Saiba o que acontece no mundo inteiro na Hora do Planeta. Clique aqui ou acesse www.earthhour.org.

quinta-feira, 25 de março de 2010

Curitiba recebe prêmio ODM do Governo Federal

A Rede Municipal de Bibliotecas Escolares de Curitiba recebeu na tarde desta quarta-feira (24) o Prêmio Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Brasil (ODM), do Governo Federal. O prêmio foi entregue em Brasília, pelo presidente Lula, a secretária municipal da Educação, Eleonora Bonato Fruet. "Mais uma vez o ensino municipal é exemplo de qualidade para o país. Esse reconhecimento é a certeza de que priorizar a educação foi um caminho acertado", disse o prefeito Beto Richa.


Implantada em 2005 pela Secretaria Municipal da Educação, a Rede conta hoje com 171 bibliotecas escolares e acervo de mais de 700 mil livros.


Os projetos brasileiros vencedores em 2010 vão integrar um banco de dados da internet que reúne iniciativas de países da América Latina sobre os ODM. "Multiplicar essa experiência a nível nacional demonstra que estamos no caminho certo. Cerca de 700 prefeituras foram avaliadas, projetos foram selecionados por uma equipe muito rigorosa que esteve em Curitiba conhecendo a nossa rede de bibliotecas", disse Eleonora.


Também participaram da entrega do prêmio o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, o secretário-geral da Presidência da República, Luiz Dulci, e o presidente da Federação das Indústrias do Paraná, Rodrigo da Rocha Loures, que também é secretário-executivo do Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade. O Movimento foi criado para incentivar a sociedade e os governos no cumprimento dos objetivos do Milênio. "O Brasil tem apresentado resultados expressivos neste programa de Objetivos de Desenvolvimento do Milênio", disse Rocha Loures. "Estamos hoje diante do que o Brasil tem de melhor, amor e fraternidade."


O Prêmio ODM Brasil tem a finalidade de incentivar ações, programas e projetos que contribuem efetivamente para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, estabelecidos pelo governo federal. No ano passado, a Prefeitura de Curitiba também ganhou o Prêmio ODM, com o programa Mãe Curitibana, da Secretaria Municipal da Saúde.


Nesta terceira edição, o Prêmio recebeu 1.477 práticas inscritas, sendo 785 de organizações da sociedade civil e 692 de governos municipais. São premiados 10 projetos em cada categoria. Os projetos foram avaliados por um comitê técnico de especialistas nos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). O programa Vitrine Social, da Fundação de Ação Social de Curitiba, ficou entre os 45 semifinalistas do prêmio 2010.


O prêmio é coordenado pela Secretaria-Geral da Presidência da República, em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e com o Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade. A coordenação técnica é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e da Escola Nacional de Administração Pública (Enap).


Para disputar o ODM, a Rede de Bibliotecas Escolares foi avaliada de acordo com os seguintes critérios: Impacto no Público Atendido, Participação da Comunidade, Parcerias, Potencial de Replicabilidade, Complementaridade, Integração com Outras Políticas e Contribuições para Alcance dos Objetivos do Milênio.


Segundo Eleonora Fruet, o investimento na abertura de bibliotecas colaborou para a formação de crianças participativas, críticas, e presentes. "Nossas bibliotecas são santuários de crianças ativas, que querem e podem ter o melhor da educação. A premiação é um mais do que um incentivo é a consolidação de um projeto que iniciou em 2005, com quando apenas 34% das nossas escolas tinham bibliotecas escolares", disse.


Fonte: Site PMC

PSDB - Conheça os Valores e Princípios da Mobilização

Fonte: http://www.mobilizapsdb.org.br

Ministro de Obama elogia programas de Curitiba


O ministro da Habitação e de Desenvolvimento Urbano dos Estados Unidos, Shaun Donovan, elogiou os programas de planejamento urbano da capital paranaense. Durante encontro com o prefeito Beto Richa, na quarta-feira (24) Donovan disse que "os projetos de Curitiba são exemplos para serem reproduzidos em outras partes do mundo, como modelo de boa gestão urbana".


O ministro está no Brasil participando do Fórum Mundial Urbano 5, que acontece no Rio de Janeiro, e dedicou um dia especial para conhecer os programas de planejamento urbano de Curitiba. Ele esteve no Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc) e na Companhia de Habitação de Curitiba (Cohab). Visitou também as obras feitas na região do Bolsão Audi/União.


Para Beto, a avaliação do ministro “é uma honra. É um orgulho para os curitibanos ver a cidade que construímos juntos todos os dias reconhecida internacionalmente. Isso nos motiva a avançar ainda mais", disse o prefeito.


Donovan, antes de participar do governo Obama trabalhou no governo de Bill Clinton (1993-2001) e ajudou a criar, em Nova Iorque, o plano municipal de moradia acessível mais importante a nível nacional.


O ministro norte-americano considerou muito interessante a idéia da Cohab-Curitiba de unir construções de novos empreendimentos, com diferentes modelos de casas, além da implantação de toda a infraestrutura, como creche, escolas e unidades de saúde. Segundo ele, “o modelo urbano da capital paranaense já é mundialmente reconhecido e inovador”.


No Ippuc, Donovan conheceu os programas de planejamento da cidade, os sistemas de transporte, eixos estruturais, os parques e a implantação do metrô curitibano. O ministro recebeu ainda informações sobre as ações da Prefeitura para receber jogos da Copa de 2014.


Fonte: www.betoricha.com.br

quarta-feira, 24 de março de 2010

Beto entrega casas, Armazém e quadras na Regional Boa Vista


O prefeito Beto Richa e o vice-prefeito Luciano Ducci entregaram as primeiras 79 casas do empreendimento habitacional Moradias Faxinal, no Santa Cândida. O conjunto vai abrigar 415 famílias, que estão saindo das margens do rio Atuba. Richa também inaugurou duas quadras cobertas e um Armazém da Família.


"As novas moradias, bem como as quadras cobertas e o armazém, mostram uma preocupação direta com as pessoas mais carentes da cidade, que precisam da presença firme da Prefeitura de Curitiba", afirmou Richa.


O conjunto construído pela Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab) terá 415 casas, numa área de 145 mil metros quadrados, representando um investimento de R$ 12,789 milhões. As casas serão destinadas às famílias que hoje vivem em condições de vulnerabilidade às margens do Rio Atuba.


O conjunto será entregue com toda a infraestrutura de redes de água, esgoto, energia elétrica, iluminação pública, drenagem e ruas pavimentadas. "Curitiba tem o maior programa habitacional dos últimos anos, que está mudando a vida de milhares de famílias curitibanas", afirmou o vice-prefeito Luciano Ducci.


As casas novas agradaram os moradores. Para o aposentado Luiz Carlos de Lima, a Prefeitura concretizou um sonho antigo. "Trabalhei a minha vida toda e não consegui comprar uma casa. Agora aposentado, a Prefeitura me ajudou. Já estou comprando até os eletrodomésticos que perdi na última chuva", disse Lima.


Outra família contente é a de Roseli Perpétua Rodrigues, que se mudou para a quadra 2 do Moradias Faxinal. "Chovia e eu perdia tudo. Agora não vou ter mais medo de chuva, porque aqui é seguro", disse a cozinheira.


Quadras cobertas - O prefeito Beto Richa entregou quadras poliespotivas cobertas em duas escolas municipais. Na Escola Municipal Santa Águeda, no Santa Cândida, o prefeito foi recebido por 200 crianças que participaram da entrega do equipamento.


A quadra será usado para a prática de atividade física dos 550 alunos e pelas famílias que participam do Comunidade Escola nos fins de semana. Na Escola Municipal Tanira Regina Schmidt, no Barreirinha, a nova quadra tem 567 metros quadrados e será usada por 647 alunos.


Além da entrega da quadra, o prefeito Beto Richa entregou na mesma escola o Jardim Oriental Claúdio Seto, em homenagem ao cartunista e ensaísta falecido há dois anos. O novo jardim relembra os espaços construídos em casas e terrenos públicos no Japão.


Para o filho de Seto, Noryiassu Seto Takeguma, a homenagem é importante por preservar a memória do cartunista. "A família ficou feliz, porque Claúdio Seto sempre gostou de assuntos ligados a crianças e jovens", disse Takeguma, que doou 200 livros de lendas japonesas para os Faróis do Saber e bibliotecas da cidade.


Armazém - Outra obra entregue foi a reforma e ampliação do Armazém da Família Santa Efigência, no Barreirinha. Depois da ampliação, dobrou a área útil da unidade, que agora tem 500 metros quadrados. O número de caixas também foi ampliado, para evitar filas.


O Armazém atende 10 mil famílias da região e moradores do município de Almirante Tamandaré, que podem comprar produtos com preços até 30% menores. Curitiba tem 29 Armazéns da Família. Estão em construção as unidades Monteiro Lobato, Osternack e Uberlândia.


Neuza Fujii, uma das primeiras compradoras da nova loja Santa Efigênia, disse que economiza R$ 200 reais por mês desde que passou a comprar no Armazém. Quem também elogiou a nova loja foi a dona de casa Ivone Pinheiros. Ela disse que encontra tudo o que precisa no Armazém da Família. "Os produtos vendidos aqui são iguais do supermercado, mas bem mais barato", disse.


Pavimento - O prefeito Beto Richa ainda vistoriou a revitalização da malha viária na região da Rodovia dos Minérios, junto com o gerente de Negócios do Grupo Votorantim, Marcelo Lass. A obra foi feita em parceria entre a Prefeitura e a empresa.


A construção de canteiros no meio da pista e uma nova rótula, em frente à rua José Bajerski, melhoraram a circulação de veículos no local.Também serão construídas calçadas e a estrutura para instalação de futuros semáforos. "Esta parceria trouxe melhorias para o trânsito da região, atendendo escolas, comércio e residências dos dois bairros, além de segurança aos 900 funcionários da empresa. Alguns funcionários já sofreram acidentes por causa do intenso movimento de carros", afirmou Marcelo Lass.


O investimento nas melhorias foi de R$ 500 mil. A Prefeitura repassou R$ 250 mil em insumos, como brita e asfalto, fornecidos pela Usina de Asfalto do Abranches, a 300 metros do local da obra. O município também fez a fiscalização da obra, além do projeto e concessão de alvarás. A Votorantim contratou a empreiteira responsável pela execução da obra.


Participaram dos eventos na Regional Boa Vista a presidente da Fundação de Ação Social, Fernanda Richa, e os vereadores Jairo Marcelino, Jair Cézar, Tico Kuzma, Julieta Reis, Juliano Borghetti e Paulo Frote.


Fonte: Site PMC

Francisco Beltrão: Marcello Richa coordena encontro da juventude

Os líderes jovens do PSDB se reuniram na sede da Amsop. Marcello Richa, filho do prefeito de Curitiba e pré-candidato ao governo, Beto Richa, participou do encontro.

Na tarde de sábado, 20, na sede da Amsop, lideranças políticas e a ala jovem do PSDB estiveram reunidos para tratar sobre o fortalecimento da participação da juventude de Francisco Beltrão e do Sudoeste na política. Estiveram presentes na reunião Marcello Richa, filho do prefeito de Curitiba Beto Richa (PSDB), o presidente da Câmara de Vereadores Ivo Santos (PSC), os vereadores Celso Antunes e Luiz Carlos da Silva (licenciado), do PSDB, Dázio Zanatta (DEM), além de filiados de diversos partidos.

Para Marcello Richa, o interesse em atrair os jovens não é uma estratégia partidária, mas uma alternativa para se participar da política paranaense. “Não estamos aqui para buscar militantes do PSDB, mas sim para que tenhamos cabeças jovens trabalhando em favor do Paraná”, argumentou Marcello.

Ivo Santos (do PSC) reiterou as colocações de Marcelo e acrescenta que os jovens serão diferenciados no cenário político do Paraná e do Brasil por sua capacidade de liderança. “Eu acredito na nova geração, acredito que eles terão uma identidade política e trarão mudança para o Brasil”, comentou. A intenção, reforçou Ivo, é que mais jovens participem da política, não apenas do PSDB ou PSC. “Estamos articulando todos os partidos para se juntar a este trabalho”, acrescenta.

Celso Antunes, Luiz Carlos Dídio dos Santos, Ivo Santos (PSC),
Marcello Richa, Rodrigo e Dani, lideranças do PSDB.


Fonte e Foto: Jornal de Beltrão.

terça-feira, 23 de março de 2010

JPSDB aposta no uso da internet para conquistar eleitorado jovem

O ano de 2010 começou quente no mundo político. Articulações e movimentações visam formar correntes, firmar alianças e impulsionar candidaturas em todo estado. Além disso, alas partidárias já se mobilizam defendendo nomes e procurando densidade para fazer a diferença nas urnas. Um exemplo é a Juventude do Partido da Social Democracia Brasileira, que já atua fortemente percorrendo todo o estado; “fortalecendo o time”, como classifica o presidente do diretório estadual do JPSDB, Marcello Richa.

De tantas andanças por parte da executiva estadual do JPSDB, no último sábado, dia 20, Francisco Beltrão foi o local escolhido para o encontro, que aconteceu na Amsop, pela tarde. Na oportunidade, Marcello Richa, presidente est
adual do JPSDB e filho do prefeito de Curitiba, Beto Richa, falou sobre o desafio de inserir os jovens na política. Segundo Marcello, “a juventude será decisiva nas eleições deste ano, tanto pela liberação do uso da internet, com a militância virtual, como pelo nosso pré-candidato ao governo, que representa a renovação”.

Aliás, falando em internet, esta deverá ser a principal ferramenta que o JPSDB do Paraná irá utilizar na campanha deste ano. Com as novas regras aprovadas no ano passado pelo Congresso e sancionadas pelo presidente Lula, o uso da internet será liberado na campanha eleitoral, com liberdade de expor ideias e propostas inclusive nas redes sociais. “É um desafio muito grande hoje, proporcionar essa inserção, já que o jovem tem uma resistência natural a política encarando a história como diferente, pois em contextos p
assados era necessário ir à rua, pedir Diretas Já, Impeachment e fim da ditadura militar, mas hoje a democracia está consolidada e o que sentimos é uma grande participação através da internet, identificando uma juventude política muito atuante neste meio e não nas ruas”, relata Marcello Richa.

Para tanto, o JPSDB utiliza-se da rede mundial de computadores. Com apenas um clique é possível conhecer, debater a até se filiar no partido. A ala jovem do partido utiliza sites, twitter, orkut, facebook e possui também um blog (www.jpsdbcuritiba.blogspot.com.br).


Propostas para a juventude
Desde a metade do ano passado que o JPSDB percorre o estado reunindo diretórios municipais da ala jovem e colhendo as reivindicações de cada região. Neste contexto, o partido de oposição ao governo estadual já identificou muitos dos problemas que afligem os jovens. Dentre as principais preocupações está a segurança e educação.

De acordo com Marcello Richa, “o jovem é a principal vítima da falta de segurança e educação”. As propostas para resolver isto são mais aparato policial e incentivo, o que pode também refletir na oportunidade do primeiro emprego, gerando independência financeira e econômica.


Seguir os passos do pai
Apesar de ter apenas 24 anos, o sobrenome Richa do jovem Marcello pode influenciar muito em seu futuro político. Assim como o pai, Beto, e o avô, José, o atual presidente do JPSDB pensa em se aventurar na carreira política, mas tudo com seu tempo. “Não tenho pressa de me candidatar e exercer cargo”, afirma ele. “Quando o PSDB entender que isso é importante, colocarei meu nome à disposição para ver a viabilidade do projeto”, completa Marcello.

No último sábado, lideranças reunidos na Amsop,
com a presença de jovens de Beltrão


Fonte e Foto:

Leandro Czerniask
Aqui Sudoeste. http://bit.ly/ccDgZs

Convite aos Tucanos

sexta-feira, 19 de março de 2010

"O Estado como parceiro do produtor rural"

Artigo de Beto Richa: "O Estado como parceiro do produtor rural"


Tenho conversado com produtores rurais, grandes e pequenos, com presidentes de associações e cooperativas agrícolas. E todos me dizem que esperam do Governo do Estado um parceiro de todas as horas, articulador de planos locais de desenvolvimento e indutor de oportunidades. Penso da mesma forma.


Seja no caso da aftosa, que agora se discute, seja na agricultura e na pecuária como um todo, o setor deve ter no Estado um parceiro, articulador de planos locais de desenvolvimento e indutor de oportunidades. Um Estado que abra os caminhos para o escoamento da produção, com melhores estradas rurais, pedágio acessível e um Porto de Paranaguá eficente. E que, definitivamente, construa as indispensáveis alternativas ferroviárias. Que alie à competência técnica e científica disponível a liderança política que se espera do governador.


O produtor espera respaldo político, espera ser compreendido como aliado na preservação ambiental, sem o falso dilema entre produção agrícola e conservacionismo, com segurança jurídica para produzir. Espera um Estado que pense o campo com visão estratégica de desenvolvimento sustentável para geração de empregos e renda, com foco nos seguintes eixos:


Qualidade de vida no campo: moradia, educação e capacitação, saúde, lazer, saneamento e segurança para as famílias.
Produção sustentável: microbacias adequadas, nascentes e mananciais protegidos, manejo integrado de solos e controle da poluição.
Mercado: organização da cadeia produtiva, inovação tecnológica, assistência técnica, agroindustrialização e modernização da infraestrutura.


Agricultura familiar: como atividade complementar ao agronegócio e não excludente.
Abastecimento alimentar: os Armazéns da Família de Curitiba são a evidência de que as cidades e o campo, de mãos dadas, abrem um novo pólo de consumo.
Acesso à terra: assegurar o direito de propriedade e apoiar o acesso à terra àqueles que têm aptidão para a agricultura, além da inclusão dos assentamentos legais no processo produtivo e da regularização fundiária.
Diversificação da produção: apoiar atividades de maior densidade econômica, como os orgânicos, com apoio na organização de cadeias produtivas, assistência técnica e novas tecnologias, infraestrutura e logística adequadas.


O Paraná deve retomar neste ano a liderança na produção nacional de grãos, mas não pode fechar os olhos para o fato de que persistem problemas, como o endividamento do produtor, crédito caro, real apreciado e os gargalos de infraestrutura de transporte.


Para concluir, volto à questão da aftosa.
Mais que uma proposta de gestão, o Paraná como zona livre de aftosa sem vacinação deve ser um compromisso de Estado, com empenho do setor produtivo e do segmento de sanidade agropecuária.


Este novo status, requerido recentemente ao Ministério da Agricultura, abrirá ao Estado perspectivas consistentes de ampliação da exportação de carnes para mercados como Europa, Japão e Estados Unidos. Além disso, vai qualificar ainda mais o agronegócio paranaense, que já tem preço competitivo e produto de qualidade.


O Estado deve conduzir este processo, em parceria com a União, prefeituras e o setor produtivo, articulando o conhecimento técnico-científico do poder público e das entidades do setor, a experiência do produtor e a construção de uma infraestrutura de fiscalização e controle.
Para desobrigar-se da necessidade de campanhas de vacinação, são necessárias algumas medidas pontuais, tais como:


Aperfeiçoar o controle de acesso de animais nas divisas e fronteiras;
Aprimorar o cadastro de produtores para controle e rastreabilidade dos rebanhos;
Contratar veterinários e técnicos agropecuários para as unidades veterinárias (algumas delas estão sem profissionais) e capacitá-los continuamente;
Construir e readequar a estrutura física dos postos de fiscalização.


A adoção deste programa depende de capacidade técnica, e mais ainda de determinação política e de humildade para aprender com os erros anteriores, como ocorreu em 2005/2006, quando quase sete mil de cabeças de gado do rebanho paranaense foram sacrificadas e enterradas em valas comuns, sob suspeita de aftosa.


Mesmo com dificuldades, a agropecuária e a agroindústria respondem por um terço do PIB paranaense, geram milhares de empregos e contribuem decisivamente para o equilíbrio da balança comercial brasileira. Até que patamares de crescimento econômico será capaz de alavancar o Paraná, se tiver no Governo Estado um parceiro confiável, empenhado em cumprir sua missão fundamental de condutor do processo de desenvolvimento?



Fonte: www.BetoRicha.com.br

quinta-feira, 18 de março de 2010

Beto Richa inaugura Restaurante Popular da Regional Bairro Novo


O prefeito Beto Richa e o ministro do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Patrus Ananias, inauguraram nesta quinta-feira (18), às 11h, o Restaurante Popular da Regional Bairro Novo. O restaurante servirá almoço a R$ 1,00 o prato. "É um grande benefício para trabalhadores, estudantes e aposentados", diz Richa.


O investimento no restaurante foi de R$ 2,12 milhões, incluindo obra, terreno e equipamentos. A Prefeitura investiu R$ 885 mil (R$ 365 mil no terreno e mais R$ 520 mil na obra). O Ministério entrou com R$ 1,24 milhão (R$ 670 mil para a obra e R$ 570 mil para equipamentos, mobiliário, utensílios e materiais de consumo).


A Prefeitura ainda investirá R$ 515 mil por ano no restaurante, para o subsídio das refeições, cujo custo unitário é de R$ 3,06. A Prefeitura bancará R$ 2,06 de cada prato servido. O restaurante servirá mil refeições por dia.


"O restaurante faz parte da política de segurança alimentar da Prefeitura de Curitiba. Para atender a população de baixa renda, apresentamos o projeto do restaurante em um edital do Ministério para obter parte dos recursos", diz o secretário municipal do Abastecimento, Norberto Ortigara.


A Prefeitura também tem o Restaurante Popular da Praça Rui Barbosa, que em dois anos já serviu 1,2 milhão de refeições. O Município está concluindo a construção de um restaurante na Regional CIC, que ficará pronto ainda neste semestre.


"Vamos construir restaurantes em todas as regionais", disse Richa, que na última sexta-feira assinou ordem de serviço para a construção de Restaurante Popular na Regional Pinheirinho. O restaurante do Pinheirinho será bancado integralmente pela Prefeitura, com investimento de R$ 2,1 milhões para obra e equipamentos.


Fonte: Site PMC

quarta-feira, 17 de março de 2010

Richa abre Festival de Curitiba e destaca revitalização de espaços e democratização da cultura


O prefeito Beto Richa participou na noite desta terça-feira (16) da abertura do 19º Festival de Curitiba, no teatro Ópera de Arame. Na cerimônia, Richa destacou a relevância do festival e os investimentos feitos pela Prefeitura no setor cultural.


Richa disse que nos últimos cinco anos a Prefeitura investiu R$ 12 milhões na revitalização de 25 espaços culturais e destinou R$ 70 milhões para apoio de projetos artísticos por meio da Lei Municipal de Incentivo à Cultura.


"O setor tem recebido atenção especial em nossa administração. Trabalhamos pela revitalização de espaços, como Cinemateca, Teatro Paiol, Teatro Novelas Curitibanas, Capela Santa Maria, entre outros, além de democratizar o acesso à cultura, levando arte aos bairros", disse Richa.


"Curitiba vem se destacando na área e, em março, respira cultura com a realização deste festival, que coloca a cidade em evidência em todo o Brasil e atrai os principais artistas e diretores do país", acrescentou o prefeito.


A cerimônia teve a presença do ministro da Cultura, Juca Ferreira, do organizador do festival, Leandro Knopfholz, do deputado federal Marcelo Almeida, do diretor de Área Pública do Itáu, Cícero Araújo, banco patrocinador do evento, e do presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Paulino Viapiana.


"O festival é um grande negócio para a área cultural. Neste ano, a mostra receberá várias estreias nacionais, além de revelar novos talentos", destacou Viapiana.


A Fundação Cultural é uma das patrocinadoras do festival e oferece seus teatros, espaços cênicos e outras unidades para a realização dos espetáculos, que serão apresentados até dia 28 de março.


O primeiro deles, apresentado logo após a cerimônia de abertura, foi Till, a Saga de um Herói Torto, comédia do grupo mineiro Galpão. Na plateia estavam os atores Sérgio Mamberti, presidente da Fundação Nacional das Artes (Funarte), Guilherme Weber, Marcos Breda, o diretor de teatro Cacá Rosset, e o ex-corredor Robson Caetano.


Neste ano, o Festival de Curitiba terá 27 atrações na mostra oficial e quase 300 espetáculos no Fringe, a mostra aberta do festival, sem curadoria ou limitações. Em 11 dias, serão quase 2.000 apresentações em 80 espaços cênicos da cidade.


Também participaram da solenidade de abertura do festival os vereadores Julieta Reis, Serginho do Posto, Jair Cézar e Professor Galdino.


Fonte: Site PMC

JPSDB visita Campo Largo

A convite do Presidente da JPSDB Campo Largo, Bruno Henrique Boaron, o município na Região Metropolitana de Curitiba (RMC) recebeu ontem (16) a visita do Presidente da Juventude Tucana do Paraná Marcello Richa. Os jovens almoçaram no Hotel Campo Largo e seguiram em visita para a Câmara de Vereadores, no gabinete do vereador Lucir Marchiori (PSDB).

(esq) O Vice-presidente do JPSDB Campo Largo Dilço Cruzara, o presidente da JPSDB Paraná Marcello Richa, o vereador Lucir Marchiori (PSDB) e o presidente da JPSDB Campo Largo Bruno H. Boaron.

“A organização e estruturação da juventude de Campo Largo é essencial para os trabalhos da JPSDB Paraná”, disse Marcello Richa. Boaron lembrou que “o jovem representa o personagem de mudança, e que sua participação na política é essencial”. O município realizará um encontro da juventude no final de abril.

Entre muitas conversas Marchiori lembrou, com saudades e respeito, do ex-Governador e avô de Marcello, José Richa. “Trabalhamos juntos no ano 82. Quando o trabalho de alguém é honesto faz parte da história. O trabalho é bem lembrado”, enfatizou. Após, a JPSDB Paraná conheceu toda a estrutura da Câmara e visitou outros gabinetes, como do vereador Celsinho Açougueiro (PSDB).

Marcello Richa conheceu a estrutura da Câmara de Vereadores e conversou com funcionários da casa.


Fotos: JPSBD Paraná.

terça-feira, 16 de março de 2010

Prisioneiros da democracia

Sejamos todos cativos da democracia. É a única prisão que presta tributo à liberdade. Repudiemos a sugestão de que menos democracia pode implicar mais justiça social.

O Brasil comemora hoje os 25 anos da Nova República. Isso quer dizer que celebra um quarto de século de estabilidade política e de plena vigência do Estado de Direito, o mais longo período da fase republicana com essas características. Na primeira década da restauração da normalidade institucional, a democracia de massas firmou-se e afirmou-se no bojo da nova Constituição. E isso se deu apesar da morte do presidente eleito Tancredo Neves, da superinflação, do sufoco externo e do impeachment do primeiro presidente eleito pelo voto direto desde 1960.


A partir da estabilidade de preços conquistada pelo Plano Real, a credibilidade externa foi sendo reconquistada, nosso setor produtivo tornou-se mais competitivo interna e externamente, as fronteiras do comércio se expandiram e, acima de tudo, deflagrou-se um processo cumulativo de acesso das camadas mais pobres a um nível mínimo de bem-estar social. E essa mudança não caiu, como diria alguém, da árvore dos acontecimentos. Foi uma construção.

Durante muito tempo, a imagem do Brasil como o país do futuro foi para nós uma bênção e uma condenação. Se ela nos ajudava a manter a esperança de que um dia transformaríamos nosso extraordinário potencial em felicidade vivida, também nos condenava a certo conformismo, que empurrava, sempre para mais tarde, os esforços e sacrifícios necessários para a superação de limites. Durante um bom tempo, o gigante que um dia acordaria serviu mais à má poesia do que à boa política. E tivemos de dar o primeiro passo, aquele que, pode-se dizer agora, decorridos 25 anos, foi um ato de fato inaugural. E não que a fronteira tenha sido rompida sem oposições de todos os lados.

Certo convencionalismo pretende que a história dos povos se dê numa alternância mecânica de ruptura e acomodação; a primeira engendraria mudanças que acelerariam a história, conduzindo a um patamar superior de civilização; a segunda concentraria as forças da conservação ou mesmo do reacionarismo, sendo fonte de perpetuação de injustiças.

A nossa história de país livre não endossa esse mecanicismo. Sucedendo à monarquia constitucional, a República entrou em colapso em menos de 40 anos. Somente nos anos 90 tivemos o primeiro presidente ? Fernando Henrique Cardoso ? que, eleito pelo voto universal, transmitiu o poder a um presidente igualmente escolhido em eleições livres e que concluiu seu mandato. Em pouco mais de um século de República, o Brasil teve dois presidentes constitucionais depostos, um que se suicidou para evitar a deposição, um que renunciou e outro que foi afastado de acordo com as disposições da Constituição ? no período, o país experimentou duas ditaduras: a do Estado Novo e a militar.

Como se nota, experimentamos mais rupturas do que propriamente acomodação ? e boa parte delas não pode ser considerada um bem. Enquanto aquele futuro mítico nos aguardava, as irresoluções foram se acumulando. Quando o Brasil, na década de 80, se reencontrou com a democracia, era visto como uma das sociedades mais desiguais do planeta, com uma dívida externa inadministrável, uma economia desordenada e uma moeda que incorporara a inflação como um dado da paisagem.

A Nova República teve a coragem da conciliação sem, no entanto, ceder nem mesmo os anéis ao arbítrio. E isso só foi possível porque o povo brasileiro não se deixou iludir pela miragem de uma mudança por meio da força. Entre a democracia e a justiça social, escolhemos os dois. Nem aceitamos que a necessidade da ordem nos impedisse de ver as óbvias injustiças nem permitimos que, para corrigi-las, fossem solapadas as bases da liberdade. O povo ficou ao lado das lideranças que tiveram a clarividência de escolher a transição negociada. Aqueles eventos traumáticos que marcaram os 10 primeiros anos da Nova República não chegaram nem sequer a arranhar a Constituição. Ao contrário: curamos as dores decorrentes da democracia com mais democracia; seguimos Tocqueville e respondemos aos desafios da liberdade com mais liberdade.

Essa vitória da mudança gradual sobre as ilusões da ruptura não se fez sem lutas. Milhões de brasileiros foram para as ruas, em ordem e sem provocações, exigir o voto popular direto para a Presidência e para todos os cargos eletivos. O movimento das Diretas-Já não foi imediatamente vitorioso, mas mostrou sua legitimidade e levou setores que apoiavam o "antigo regime" a perceber que uma nova ordem estava nascendo: a ordem democrática.

Assistimos à Constituinte, às eleições diretas e à plena restauração da soberania popular. Esse tripé da consolidação democrática, com seus corolários ? alternância no poder e transição pacífica ?, são a base institucional que distingue o Brasil do presente daquele da fase da instabilidade. Foi a crença nesses valores que nos permitiu superar a ilusão de soluções radicais e imediatistas. A democracia, tornada um valor inegociável, permitiu que os sucessivos governos pudessem aprender com os erros de seus antecessores e os seus próprios, corrigindo-os, o que concorre para o aperfeiçoamento das políticas públicas.

Não foram erros pequenos nem triviais. Alguns foram monumentais, como o confisco da poupança e a tentação, de um cesarismo doidivanas, de acabar com a inflação "num só golpe", confiscando a poupança popular. A democracia que nos permitia errar de modo fragoroso também nos permitiu um acerto histórico: a implementação, nos governos Itamar Franco e Fernando Henrique, do Plano Real. Ele nasce, sem dúvida, de uma engenharia econômica ímpar, de um rigor técnico até então desconhecido no Brasil nos planos de estabilização, mas acredito que uma das razões de seu sucesso nunca foi suficientemente considerada: ele foi amplamente negociado com a sociedade, com um razoável período de transição entre os dois regimes monetários. Mais uma vez, o gradualismo mostrava a sua sabedoria.

A inflação não morreu com um golpe. Ela morreria com inteligência e democracia.

O significativo avanço das condições sociais e a redução do nível de pobreza no Brasil, hoje exaltados em várias línguas, só se deram por conta de políticas que foram se aperfeiçoando ao longo de duas décadas, como a universalização do Funrural, os ganhos reais no salário mínimo e os programas de transferência de renda para famílias em situação de extrema pobreza. O atual governo resolveu reforçar essas políticas quando percebeu que "inovações" como o Fome Zero e o Primeiro Emprego fracassaram. Também é um dado da realidade que as balizas da estabilidade, cuja régua e compasso são o Plano Real, foram mantidas (mais no primeiro do que no segundo mandato).

O crescimento, o desenvolvimento e o bem-estar não são manifestações divinas. Não estão garantidos por alguma ordem superior, a que estamos necessariamente destinados. Existem em função das escolhas que fazemos. Sou muito otimista sobre as possibilidades do Brasil. Se, antes, parecíamos condenados a ter um futuro inalcançável, hoje já se pode dizer que temos até um passado bastante virtuoso. Mas é preciso cercar as margens de erro para que continuemos num ciclo virtuoso. Dados recentes divulgados pelo IBGE demonstram que voltamos a ter um déficit externo preocupante e que a taxa de investimento está bem abaixo do desejável ? especialmente no caso do setor público ? para assegurar no futuro a expansão necessária da economia e do consumo. Afinal, os desafios que o Brasil tem pela frente ainda são imensos.

Com a Nova República, o Brasil fez a sua escolha pela democracia e pelo Estado de Direito. É essa a experiência que temos de levar adiante, sem experimentalismos e invencionices institucionais. Porque foi ela que nos ensinou as virtudes da responsabilidade ? inclusive a fiscal. Fazemos, sim, a nossa história; fazemos as nossas escolhas, mas elas só são virtuosas dentro de um desenho institucional estável.

Sejamos todos cativos da democracia. É a única prisão que presta seu tributo à liberdade. Assim, repudiemos a simples sugestão de que menos democracia pode, em certo sentido, implicar mais justiça social. Trata-se apenas de uma fantasia de espíritos totalitários. Povos levados a fazer essa escolha acabam ficando sem a democracia e sem a justiça.

Fonte: Governador de São Paulo, José Serra.
Foto: Portal Terra.