sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Curitiba, exemplo de políticas de juventude para o Brasil


Por Guilhermina Abreu

Quando se fala em políticas públicas, Curitiba é uma cidade referência em muitas áreas e com as Políticas Públicas de Juventude (PPJ) não é diferente. Durante a nossa passagem pela cidade, tivemos a oportunidade de verificar a qualidade dos programas e projetos direcionados aos jovens.

A Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Juventude de Curitiba, liderada pelo jovem Marcello Richa (27 anos), é o órgão responsável pela elaboração dessas políticas. O secretário é também presidente da Juventude Nacional do PSDB e nos concedeu uma entrevista na qual contou sobre o desafio de desenvolver ambos os trabalhos. Ele falou sobre o fato de ter sofrido preconceito no início de seu trabalho na secretaria pela pouca idade que possui, o que foi logo superado por seu trabalho e competência.

Entre os projetos executados pela secretaria, vale citar a realização das audiências públicas para a juventude. Durante os eventos, os jovens têm a oportunidade de discutir suas demandas e apresentá-las ao poder público. Os debates, realizados, nas escolas visam aproximar os alunos das políticas públicas municipais, incentivando assim o protagonismo juvenil.

A construção de dois novos Centros de Juventude também merece destaque. O equipamento contará com auditório, piscina aquecida, quadras, salas de ginástica e pista de skate. O objetivo é oferecer aos jovens de 15 a 18 anos atividades artísticas, esportivas e culturais. Outro projeto da secretaria é o “Jovem Curitibano” que promove diversas atividades recreativas e gratuitas em parques e praças.

Uma importante conquista para o jovem curitibano foi a aprovação, na Câmara dos Vereadores, do Conselho Municipal de Juventude e do Fundo Municipal de Juventude de Curitiba. O que significa que as políticas públicas de juventude serão desenvolvidas com mais força, por terem amparo financeiro e institucional.

Os jovens representam 27% da população Curitibana. A criação de políticas públicas de qualidade direcionadas são essenciais para o desenvolvimento social da cidade.


Fonte: http://turmadochapeu.com.br/tdc-curitiba-politicas-juventude/

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Uma Patifaria Política


O lançamento do livro “Privataria Tucana” é um ato político tão ridículo que chega a ser risível.

Em mais um evento político protagonizado pelo PT, chama-se um “jornalista” atolado até o pescoço em escândalos – que vão desde violação de sigilo fiscal, uso de documentos falsos, dar ou oferecer dinheiro ou vantagem à testemunha, até corrupção ativa – para lançar um “livro” sobre “escândalos protagonizados por tucanos”.

Não é preciso dizer que o material produzido nasce sem credibilidade alguma tendo em vista o histórico do autor, mas é importante frisar a dedicação dos petistas para tornar este grande ato de vigarice política – mais uma diga-se de passagem – em um grande acontecimento.

Venderam cerca de 30 mil cópias na data de seu lançamento para seus militantes, mobilizados por todo o país para chamar a atenção da mídia numa tentativa de empurrar sua principal marca, a corrupção, para o colo dos seus adversários que a combatem.

Todavia, o que mais impressiona em tudo isso é a cara de pau com que promovem uma ação política das mais ridículas e infantis da história do País. O absurdo é tão grande que sob nenhum aspecto é plausível levar em consideração a “obra” do A. R. Júnior.

Primeiro porque escolheram alguém com currículo de causar inveja aos “Dirceus” e “Valérios”, uma vez que nenhum jornalista com um pingo de vergonha na cara e boa reputação a zelar se prestaria a este tipo de trabalho. Segundo por que não escolheram melhor data, lembrando que na mesma semana o “jornalista” presta depoimento à Polícia Federal já que foi indiciado pelos crimes citados acima. Terceiro, não podemos esquecer que alardearam as provas e os documentos contidos no livro, o qual foi produzido por um homem que foi indiciado pelo o quê mesmo? Ah, sim, uso de documentos falsos, dentre tantos outros! Ainda tem mais, o Senhor. A. R. Júnior era da “inteligência” da campanha da atual Presidente. Bom, vou parar por aqui, pois poderia passar mais um bom tempo lembrando os muitos absurdos que o ato envolve.

Vamos prosseguir.

Como se não bastasse o histórico do elemento, lança-se o livro num clima de alegria. Como se corrupção fosse motivo para algum tipo de festejo. Talvez para eles seja, não sei. O que sei é que todos os petistas apaixonados esqueceram de aproveitar a ocasião para lembrar o escrito de outro jornalista que também figurou nos quadros do PT há alguns anos, o Jornalista Ivo Patarra, autor do Livro “O CHEFE” que falava também sobre corrupção. Só que sem documentos falsos e apenas lembrando os depoimentos dos indiciados no caso do mensalão do PT, durante o governo Lula.

Malas de dinheiro público para cima e para baixo, violação do sigilo fiscal de um humilde caseiro, compra de deputados, extorsão, desvio para campanhas do PT, festa com prostitutas. Tudo pago com o mesmo dinheiro público do maior esquema de corrupção. Aquele nunca antes visto neste país. Impressiona que tantos fatos tenham sido esquecidos pelo nobre autor.

Diante de tudo isto, sinceramente, o PT ofende a inteligência dos brasileiros com este tipo de politicagem suja, mentirosa e alarmista. Pior, ainda se perguntam nas redes sociais e na TV Record, o porquê do lançamento da “obra prima” do Senhor A. R. Júnior não ter sido noticiada em outros setores da imprensa. Não vou explicar, pois acredito que o que escrevi até aqui seja auto-explicativo, até mesmo para o rebanho vermelho.

Sem querer me prolongar muito, confesso que recebi a notícia aos risos acreditando que isto era mais uma daquelas piadas que veiculam pela internet. No entanto, quando soube que o PT realmente tinha tomado tal atitude, lembrei que são exatamente seus malfeitos que me propus a combater, e logo o riso deu lugar apenas a um sentimento de orgulho próprio.

Obrigado!!


Paulo Krüger
Cientista Político
Secretário de Formação Política da JPSDB Curitiba

"O Futuro Começa Agora" – Carta do Congresso da Juventude do PSDB


A Juventude Tucana mobilizou mais de mil jovens de todas as unidades federativas, identificados com a proposta Social Democrata, para discutir durante os dias 16 e 17 de dezembro de 2011, na cidade de Goiânia, o futuro do Brasil.

Um conjunto de debates sobre os mais diversos temas foram realizados nos estados, pela internet, que culminaram neste grandioso evento.

No cenário internacional, presenciamos um momento de crise. Regiões inteiras antes consideradas estáveis e exemplo de desenvolvimento social e gestão econômica mostram as fissuras de um modelo que aparenta não ser mais sustentável.

A internet e suas mídias sociais revolucionam diariamente as formas tradicionais de comunicação. Possibilitam maior transparência das ações do governo, diminuem a distância entre o cidadão e o governante e amplificam a capacidade de mobilização da população. Nas ruas, o povo confronta antigas ditaduras e pede soluções para novos problemas. Nos gabinetes, governantes buscam soluções, que ainda não são claras.

No Brasil há a sensação de relativa estabilidade econômica e social. Por um lado isso é reflexo da força que nossa economia mostrou no momento de crise, mantendo relativamente os níveis de emprego e de consumo da população.

O país que temos hoje, com todos os seus problemas e virtudes, é produto do trabalho de uma geração que soube se organizar politicamente e lutar para conquistar a democracia, estabilizar a economia e fortalecer as instituições fundamentais do estado brasileiro. Para nosso orgulho, grande parte dos homens públicos que construíram essas vitórias são hoje as figuras de proa do Partido da Social Democracia Brasileira – PSDB.

A ineficiência com os gastos públicos, a corrupção e a incompetência gerencial do atual governo federal tem danificado os alicerces construídos durante o governo Fernando Henrique Cardoso. O país, desse modo, deixa de avançar nas reformas necessárias, quando não, as já realizadas são deturpadas.

Cada vez mais conscientes do custo da corrupção, as pessoas saem às ruas para pedir o seu fim. Exigem mais empenho nas investigações, mais transparência nas ações e mais rigor nas punições. Afinados com essa pauta política, colocada pela sociedade, a JPSDB defende que ações de corrupção sejam enquadradas judicialmente na categoria dos crimes hediondos, não mais permitindo que escândalos como do mensalão sejam esquecidos sobre a poeira de interesses escusos.

Entendemos que o partido precisa se posicionar de forma clara com relação a aproximação do PSDB com a escuta dos verdadeiros movimentos sociais não aparelhados por estruturas corrompidas pelo autoritarismo. É entender o reflexo da opinião social nas transformações que a sociedade brasileira exige e que o PSDB tem que estar pronto a efetivá-las. É entender as diversidades culturais, de gênero, de igualdade racial, orientação sexual, políticas, religiosas e todas as outras vertentes de manifestação do povo brasileiro.

De igual forma, defender uma reforma política ampla e irrestrita, que de fato garanta a participação popular nas decisões de nosso presente e futuro, que garanta o fortalecimento das estruturas partidárias e que possa aumentar a possibilidade de oxigenação na política brasileira. Para isso, entendemos ser vital a implantação do voto distrital como ferramenta para efetivar a reconstrução de nossa democracia, combalida pelo lulo-petismo.

A classe política se encontra cada vez mais desacreditada pela sociedade. Nós, jovens políticos, não podemos simplesmente aceitar essa realidade. Devemos trabalhar para resgatar a credibilidade dos homens públicos.

Para tanto, acreditamos ser fundamental que a Juventude Social Democrata inclua na pauta dos debates políticos assuntos de interesse direto da sociedade, sem medo de se posicionar e de atuar como um importante formador de opinião norteado pelos valores da Social Democracia.

Por isso, saímos desse congresso com algumas bandeiras que defenderemos:

TRANSFORMAÇÃO DA CORRUPÇÃO EM CRIME HEDIONDO

A Juventude do PSDB entende como fundamental a necessidade de aprimorarmos os mecanismos de combate à corrupção e de fiscalização na aplicação dos investimentos públicos. Não podemos permitir que crimes de corrupção terminem sempre de forma inconclusiva e impune. Por isso propomos transformar crimes de corrupção em crime hediondo para que processos como o do “mensalão” não se estendam por anos sem punição aos condenados.

O PSDB deve sair na vanguarda do clamor popular pela ética e não permitir em seus quadros nenhum candidato que não seja “Ficha Limpa”.
REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL PARA 16 ANOS, SEM IDADE MÍNIMA PARA CRIMES HEDIONDOS

Com a coragem suficiente e a ousadia característica da juventude, queremos abrir a discussão de temas que envolvem não apenas dados estatísticos e problemas de gestão pública, mas sim questões de valor e moral. Apoiados no levantamento realizado nas inscrições para esse Congresso da Juventude da Social Democracia Brasileira, onde identificamos que a maioria (~80%) defende a redução da maioridade penal, temos a coragem de levantar essa bandeira propondo que a maioridade penal seja reduzida para 16 anos, sem idade mínima para crimes hediondos.

PELO FIM DO ALISTAMENTO MILITAR OBRIGATÓRIO

É um absurdo que hoje, com toda a dificuldade orçamentária, sem a perspectiva de envolvimento do país em conflitos internacionais, os jovens do sexo masculino ainda sejam obrigados a se alistarem ao serviço militar. Entendemos que a carreira militar, por sua importância para o Estado, deva ser valorizada e encarada de forma profissional, como já acontece em outros países. Por isso, defendemos o fim do alistamento militar obrigatório

MEIA-ENTRADA EM EVENTOS CULTURAIS E ESPORTIVOS PARA JOVENS ATÉ 24 ANOS.

A meia-entrada em eventos culturais e esportivos serve, sobretudo, para ajudar a formação sócio-intelectual do jovem brasileiro. O atual modelo restringe este benefício aos estudantes, descriminando uma grande parcela de jovens que, por necessidade, são obrigados a largar os estudos e ingressar no mercado de trabalho. Nossa proposta, inclusive, acabará com a atual corrupção gerada pela emissão descontrolada de carteirinhas estudantis. Assim, propomos que a meia-entrada seja garantida através da identificação oficial da idade do beneficiado.

PRIMÁRIAS JÁ!

O PSDB surgiu tendo como uma de suas premissas a democracia interna. A melhor forma de garanti-la é incluir as bases partidárias diretamente no processo decisório da escolha de nossos candidatos majoritários. Por isso defendemos as primárias já nas eleições de 2012.

O FUTURO COMEÇA AGORA E SE CHAMA JUVENTUDE DO PSDB

Congresso da juventude se destaca pela troca de ideias


Goiânia – O Congresso da Juventude da Social Democracia, que teve início na sexta-feira (16), foi marcado pela troca de experiências e por manifestações da união entre os militantes do PSDB de diferentes estados. O evento terminou neste sábado (17), no Parque de Exposições Agropecuárias de Goiânia. Mais de mil jovens, de todas as regiões do Brasil, participaram do evento.

Políticos de expressão nacional, como o senador Aécio Neves (MG) e o ex-governador José Serra (SP), se uniram aos jovens para a arena de debates montada no evento. Nela, os convidados apresentaram seus pontos de vista e também integraram uma roda de conversas, na qual respondiam a perguntas elaboradas pelos próprios militantes.

“A participação dos jovens dá uma energia grande ao partido. Não existe PSDB sem a manifestação livre, espontânea e direta da nossa juventude”, afirmou o presidente do partido, deputado federal Sérgio Guerra (PE), que esteve entre os líderes que conversaram com a juventude no encontro.

O presidente da Juventude do PSDB, Marcello Richa, declarou que o partido espera ver nos jovens uma “expressiva representação popular”. Para ele, cabe à legenda a preparação de sua juventude para que mais e mais filiados jovens do PSDB estejam apto para a disputa das eleições.

Já o governador de Goiás, Marconi Perillo, convocou os jovens a lembrarem do histórico das realizações do partido. Ele destacou que o PSDB empreendeu transformações que modificaram a vida dos brasileiros, e que é necessário aos jovens tucanos o resgate dessas conquistas.

Posições
Uma das principais metas do evento era a apresentação clara das posições do PSDB para o país. A participação de Aécio Neves e José Serra, nesse sentido, corresponderam às expectativas.

O senador mineiro declarou que é favorável à realização de prévias para a escolha de candidaturas majoritárias em situações nas quais há mais de um nome à disposição do partido. “Eu defendo que se houver mais de uma candidatura é natural que o partido consulte as suas bases”, disse.

Neves acrescentou também que é na união que está a principal força do PSDB: “não existe o PSDB do Serra contra o PSDB do Aécio. Existe o PSDB do Serra, mais o PSDB do Aécio, mais o PSDB do Marconi, mais o PSDB do Sérgio Guerra, todos juntos pelo Brasil”.

Já Serra apontou que não é favorável ao financiamento público exclusivo de campanhas eleitorais – bandeira defendida pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. “Isso serve apenas para fortalecer cartórios eleitorais. Quem tem mais deputados terá mais dinheiro, e assim se fechará um ciclo. Não resolve a corrupção e inibe a atuação da sociedade”, afirmou.

O ex-governador também enfatizou a necessidade de união do partido. Ele apontou que cabe aos líderes reforçarem o compromisso com o Brasil e destacou que a juventude do PSDB acertou ao promover um congresso nos moldes deste de Goiânia.

Do exterior
Parte do primeiro dia do Congresso foi dedicado a ouvir as experiências de militantes políticos de outros países

O venezuelano Juan Carlos Martínez, que integra a oposição a Hugo Chávez, afirmou que a participação dos jovens se faz fundamental principalmente em momentos nos quais a população se mostra distante da política. “Meu país vive um cenário ditatorial principalmente porque seu atual governante tomou o poder quando os venezuelanos estavam desesperançosos. Para reverter, para conseguirmos transformações, precisamos de união”, disse.

Já o consultor Collin Jergens, que integrou a campanha de Barack Obama à presidência do EUA, destacou a importância das redes sociais precisa ser incorporada ao fazer política no Brasil. “Criamos para Obama uma campanha em que, por causa da internet, fazíamos com que o eleitor sentisse que o candidato estava realmente próximo a ele. É um modelo que precisa ser replicado”, afirmou.

Duarte Marques, deputado português, lembrou que a crise vivida por seu país e outras nações europeias tem nas deficiências políticas sua principal causa: “houve pessoas que governaram o país, não souberam administrar e não perceberam que toda a conta dos desmandos seria cobrada depois”, disse.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Parabéns ao Estado do Paraná!



Hoje, dia 19 de dezembro de 2011, o Estado do Paraná comemora seu aniversário de emancipação política. Nesta exata data, há 158 anos, foi declarada a separação do Paraná da então Província de São Paulo, garantindo aos Paranaenses a autonomia política e governamental pela qual tanto almejavam.

Este fato é de conhecimento da maioria da população paranaense. Todos os anos ele é noticiado nos jornais e comemorado com um feriado estadual.

O que poucos sabem é que a emancipação do Paraná se iniciou mesmo 32 anos antes. Foi exatamente em 15 de julho de 1821, quando o Brasil sequer havia conquistado sua independência de Portugal, que três paranaenses partiram de Paranaguá, no litoral, para exigir a emancipação do Paraná.

Naquele dia, Francysco Gonçalves da Rocha e Floriano Bento Viana, sob a liderança de Inácio Lustosa de Andrade, apresentaram às autoridades do Império a Petição pela Emancipação do Paraná. Na época, as lideranças políticas brasileiras prestaram juramento à Constituição Portuguesa.

"Ilustríssimos Senhores, temos concluído com o nosso juramento de fidelidade e agora queremos que se nomeie um governo provisório que nos conduza em separado da Província de S. Paulo; Tornam-se os nossos recursos morosos e cheios de desespero e que de tudo dê-se parte a sua Majestade"

A Petição foi negada pelas autoridades. Mas nem por isso o movimento desistiu, muito pelo contrário. Um ano depois o Brasil alcançou sua independência e passou a ter seu próprio Parlamento, suas próprias regras, suas próprias peculiaridades políticas.

O movimento encabeçado por Inácio Lustosa de Andrade cresceu, tomou corpo e ganhou adeptos em vários outros locais do país. Ao ver a força crescente do movimento paranaense, outros povos brasileiros também passaram a desejar sua emancipação.

Trinta e dois anos depois, após vencer inúmeros obstáculos e boicotes de Parlamentares Brasileiros que obstruíam as votações, finalmente o Paraná alcançou sua emancipação política.

O sonho de Inácio Lustosa havia finalmente sido alcançado aos 19 de dezembro de 1853. Desde então o Paraná tem sido berço de grandes lideranças políticas nacionais.

Mais do que isso, o Paraná tem sido o berço de lutas políticas que mudaram o país, como o movimento das Diretas Já, lançado na Boca Maldita em Curitiba.

Inácio Lustosa sonhou um Novo Paraná há 158 anos. Um Paraná grande, forte e na vanguarda política. Inácio Lustosa queria um Paraná de ética, competência e honra.

Cento e cinqüenta e oito anos depois podemos olhar para o passado e ver que a história de nosso Estado consagrou o sonho daqueles três homens que partiram de Paranaguá com um único objetivo: conquistar autonomia, independência e liberdade para o Paraná.

Quatro gerações da família Lustosa de Andrade se passaram nestes 158 anos. Inácio Lustosa de Andrade tinha a certeza da independência política e convenceu o povo paranaense de que isso era possível indo às ruas chamá-los para participar do movimento.

Eis que, 158 anos depois o Paraná novamente se depara com um chamado. O povo deste Estado é convocado a ajudar na reconstrução política do Paraná. O descaso dos últimos anos tirou nosso Estado do destaque nacional.

Mas o povo paranaense não se deixa abater facilmente. Há 158 anos provamos diariamente que o Paraná não tem medo do desafio. Pelo contrário, onde muitos vêem crise e obstáculos o povo vê oportunidades.

Temos a mesma certeza que Inácio Lustosa de Andrade teve há exatos 158 anos: o Paraná é liderança, grandeza e força. É uma idéia em permanente construção, mas que veio para ficar. Como diz a canção: “força não há, capaz de enfrentar uma idéia cujo momento tenha chegado”.

É chegada a hora do Paraná novamente ocupar posições de destaque no cenário político, social e econômico. E assim será, pois ao Paraná não será jamais negada a conquista daquilo que deseja.

Muito Obrigado Inácio Lustosa de Andrade e seus liderados Francysco Gonçalves da Rocha e Floriano Bento Viana.

Parabéns ao Estado do Paraná!!!



Curitiba, 19 de dezembro de 2011.



Felipe Nasser Daher
Presidente da JPSDB Curitiba

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Evento de filiação da JPSDB Curitiba


Convocamos a todos que ainda não se filiaram a participarem desse importante evento e se juntarem ao time da JPSDB Curitiba, assim como todos aqueles que realizaram sua filiação no PSDB neste ano. Este é um importante evento para nossa Juventude, onde mostramos nossa mobilização e crescente força na Capital e no Estado do Paraná. Leve seus amigos que também tem interesse em filiar-se ao PSDB!


Estarão presentes para abonar as filiações o Presidente da JPSDB Nacional Marcello Richa, Presidente da JPSDB Paraná Edson Luiz Lau Filho e o Presidente da JPSDB Curitiba Felipe Daher.

Após o evento de filiação, haverá uma reunião juntamente com a Executiva da JPSDB Paraná, para tratar das diretrizes que serão pautadas no Congresso Nacional da Juventude, em Goiânia. Todos que irão para o Congresso devem estar presentes.

Evento de filiação
Local: Plenarinho da Assembléia Legislativa - Praça Nossa Sra. da Salete - Centro Cívico
Data: 15 de dezembro (Quinta-feira)
Horário: 19h30



Saudações!
Allan K.

Secretario-Geral JPSDB Curitiba

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Gestores da área da saúde apóiam projeto de Organizações Sociais

Gestores de instituições da área da saúde do Paraná defenderam nesta segunda-feira (5), em reunião com o governador Beto Richa, no Palácio das Araucárias, em Curitiba, o projeto de lei que autoriza o governo a repassar para Organizações Sociais (OS) a execução de serviços hoje sob a responsabilidade do Estado. A proposta – que exclui o repasse de atividades exclusivas do poder público, como ensino regular e segurança pública – deverá ser votado ainda esta semana pelos deputados estaduais.

José Álvaro Carneiro, diretor do Hospital Pequeno Príncipe, disse que a resistência de alguns segmentos às OS é calcada em notícias a respeito de organizações envolvidas em irregularidades. “Mas é importante destacar que essas são minoria. A grande maioria das organizações presta excelentes serviços. No Paraná, as organizações sociais têm um papel muito relevante”, afirmou. Ele citou como exemplos a Santa Casa de Misericórdia e o próprio Hospital Pequeno Príncipe. “A Santa Casa é uma OS criada no final do século 19, e que vem prestando importantes serviços à comunidade há mais de cem anos. O Pequeno Príncipe está há 92 anos atendendo milhares de crianças, com uma gestão exemplar, auditada, transparente”, disse.

O superintendente do Hospital Erasto Gaertner, José Clemente Linhares, também defendeu o projeto. “A experiência do Erasto Gaertner e das outras instituições aqui representadas mostra que a parceria entre o governo do Estado e as OS é possível e necessária. A flexibilidade das Organizações Sociais – para contratação de serviços, por exemplo – garante agilidade no atendimento, o que significa ampliar o acesso da população aos serviços de saúde”, disse.

O governador destacou que o projeto visa superar amarras que hoje impedem a prestação de um bom serviço público em algumas áreas, como a da saúde. “O objetivo é repassar serviços em algumas áreas pontuais do governo, com rigoroso acompanhamento do Estado, metas e objetivos a serem cumpridos, prestação de contas e aprovação pelo Tribunal de Contas”, afirmou.

Participaram da reunião representantes de entidade ligadas às áreas da saúde, cultura e educação; os deputados estaduais Marcelo Rangel, César Silvestri Filho e Douglas Fabrício, o deputado federal Rubens Bueno e os prefeitos de Curitiba, Luciano Ducci, de Piraquara, Gabriel Samaha, e de Tunas do Paraná, Jorge Tavares.


segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

REPÚDIO À INVASÃO DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO PARANÁ

OFÍCIO N.° 005, DE 05 DE DEZEMBRO DE 2011

REPÚDIO À INVASÃO DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO PARANÁ
Sr. Presidente da Assembléia Legislativa do Paraná, Sr. Valdir Rossoni
c/ cópia aos demais membros desta casa legislativa

A COMISSÃO EXECUTIVA DO SECRETARIADO DA JUVENTUDE DO PARTIDO DA SOCIAL DEMOCRACIA BRASILEIRA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de sua delegação e competência; considerando a invasão e excessos ocorridas na Assembléia Legislativa do Paraná neste dia 05 de dezembro de 2011,
CONSIDERA:

O PSDB é o partido da Social-Democracia, foi o partido de Franco Montoro, Mário Covas e José Richa, o PSDB é o partido de administrações exemplares, como a de Fernando Henrique Cardoso, Aécio Neves e de Beto Richa. A Juventude do PSDB de Paraná acredita que é através destes exemplos de respeito à democracia que o país deve pautar as mudanças que tanto precisa.
Contudo militantes ligados ao PT e PCdoB pensam de outro modo e, nesta segunda, invadiram a Assembléia Legislativa do Estado do Paraná, num claro sinal de desrespeito à esta instituição que é um grande instrumento na manutenção e aprofundamento da democracia no Brasil.
Durante os anos de ditadura militar nós brasileiros sempre fomos privados do de vários direitos, entre eles o de manifestações. Tivemos o movimento ‘Diretas Já´ liderado por homens como Franco Montoro, Tancredo Neves e José Richa, tal movimento nunca chegou perto da baderna, destruição do erário público e muito menos do desrespeito. Lamentavelmente, os baderneiros que invadiram a ALEP destruíram o patrimônio público, desrespeitaram a democracia e frontalmente alguns deputados, entes instituídos pelo voto popular para exercer a representação popular. Os limites do bom senso foram ultrapassados.
Nós da Juventude do PSDB só temos de lamentar e repudiar tal atitude. A discordância pode haver, exatamente para isso existem espaços de debates e melhorias de projetos, bem com instituições democráticas como a ALEP, por isso como diz o Programa do PSDB nossa luta é no campo democrático e a favor de idéias.

Saudações Tucanas,

Edson Lau Filho
Presidente da Jpsdb Paraná




sábado, 3 de dezembro de 2011

Luciano Ducci destaca cidadania por meio do esporte

O prefeito Luciano Ducci participou nesta sexta-feira (2), no Museu Oscar Niemeyer, da coletiva de abertura das Olimpíadas Escolares 2011, que acontecerá pela primeira vez em Curitiba.

“A soma de esforços entre os poderes públicos e a sociedade civil permitiu trazer pela primeira vez para Curitiba As Olimpíadas Escolares, que é a maior competição esportiva estudantil do país”, disse Luciano Ducci.

Promovido pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), em parceria com a Prefeitura de Curitiba e Governo do Estado, as Olimpíadas acontecerão de 2 a 12 de dezembro e reunirão aproximadamente 3.600 atletas de 24 estados, além de delegações de Curitiba e do Distrito Federal.

“Por meio do esporte, trabalhamos o protagonismo juvenil e o desenvolvimento pessoal e social de crianças e adolescentes, revelando novos talentos do esporte e contribuindo para sua formação ética e cidadã”, acrescentou o prefeito.

Oito estrelas do esporte olímpico, os embaixadores das Olimpíadas Escolares, também prestigiaram a coletiva: o curitibano e campeão olímpico de vôlei de praia Emanuel Rego; o nadador curitibano Henrique Rodrigues (campeão pan-americano e já classificado para as Olimpíadas 2012, em Londres); o maratonista Vanderlei Cordeiro; o atleta olímpico de taekwondo Diogo Silva; o ciclista Hernandez Quadri; a campeã panamericana de Ginástica Rítmica Angélica Kvieczynski; a judoca Edinanci Fernandes e o mesatenista Hugo Hoyama.

Também estiveram presentes na coletiva o diretor-geral do COB, Edgar Hubner; o secretário estadual do Esporte, Evandro Rogério Roman; o secretário municipal do Esporte, Lazer e Juventude, Marcello Richa. Participaram ainda 200 crianças e adolescentes do Programa de Atendimento Sócio-Esportivo, promovido pela Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude.

Realizado em unidades da Prefeitura e em entidades e associações comunitárias conveniadas, o PASE desenvolve atividades físicas e esportivas com crianças e adolescentes entre 6 a 17 anos, promovendo a socialização, a melhoria da qualidade de vida e o aprimoramento de técnicas e táticas esportivas.


Embaixadores - Todos os atletas embaixadores dos jogos falaram um pouco sobre sua trajetória e experiência no esporte e destacaram a importância das Olimpíadas Escolares para o desenvolvimento de crianças e adolescentes.
“Fico muito feliz de ver as Olimpíadas Escolares acontecerem na minha cidade, pois o esporte vai além do alto rendimento e cria oportunidades para o crescimento pessoal destes jovens”, disse Emanuel Rego.

“Além de poder revelar novos talentos, as Olimpíadas Escolares são uma plataforma que desenvolve o esporte de participação e inclusão. É uma experiência única, que permite e estimula o intercâmbio cultural, o diálogo, a diversão e o aprendizado”, disse o atleta Diogo Silva, já classificado para as Olimpíadas de Londres em 2012.

“As Olimpíadas Escolares representam um momento especial para mim, pois foi onde realmente comecei minha carreira no esporte. É uma competição completa, que valoriza o esporte como uma ferramenta de integração, revela diversos talentos e trabalha valores olímpicos e cidadãos que esses jovens levarão consigo por toda sua vida”, disse o nadador Henrique Rodrigues.

Aluno da turma de basquete do Centro de Esporte e Lazer Dirceu Graeser, na praça Oswaldo Cruz, o jovem Fernando José Latk, de 18, não escondeu o entusiasmo de poder conhecer seus ídolos. “Foi muito legal ver os atletas olímpicos contando um pouco sobre sua trajetória, em especial o Emanuel, que é uma pessoa que sempre busquei me espelhar”.

Fernando também destacou sua alegria pela realização das Olimpíadas Escolares em Curitiba. “É uma competição especial, porque abre espaço para os jovens demonstrarem seu talento e incentiva a prática do esporte, que só traz benefícios para nossas vidas”, disse.






terça-feira, 22 de novembro de 2011

Alunos de escolas públicas terão contraturno profissionalizante

Uma parceria entre o governo do Estado e a Federação das Indústrias do Paraná (Fiep) permitirá oferecer, a partir de 2012, cursos profissionalizantes para 300 mil alunos do ensino fundamental e médio da rede pública de ensino. As oficinas gratuitas serão realizadas nas escolas, durante o contraturno, ampliando a jornada escolar com aulas de empreendedorismo, sustentabilidade, cidadania e iniciação industrial.

O termo de cooperação técnica para implantação do programa foi assinado nesta segunda-feira (21). no Palácio das Araucárias, pelo vice-governador Flávio Arns e pelo presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), Edson Campagnolo. A entidade é parceira da iniciativa e ficará encarregada da metodologia, material e aplicação dos cursos. Em contrapartida, espera ampliar a oferta de mão de obra qualificada para as indústrias do Estado.

“Esta parceria irá melhorar o processo educativo e abrir para os alunos oportunidades de emprego e renda. Queremos que os nossos alunos tenham também uma boa orientação profissional“, disse Flávio Arns, que também é secretário da Educação. Ele explicou que a iniciativa será aplicada também à Educação de Jovens e Adultos (EJA) e a alunos com deficiências físicas e psicológicas.

Arns destacou que a profissionalização é um compromisso do governo estadual e citou quatro etapas que, segundo ele, são fundamentais para a inserção dos estudantes no mercado de trabalho: conclusão do ensino médio, qualificação profissional, oferta de estágios e ações no contraturno escolar. “A intenção do governo é garantir cidadania e qualificação”, afirmou.

CURSOS – A Fiep levará para as escolas cursos semelhantes aos que já ministra em empresas do Paraná, por meio dos programas Indústria Itinerante, Sesi Click, Educação de Jovens e Adultos/EJA, Arranjo Educativo Local/AEL, Contraturno, Inclusão/Libras, Objetivos do Milênio/ODM, Egressos, Políticas Públicas, Portal Planeta SESI, Ensino a Distância/EAD, Formação Continuada, Educação Básica e Educação Profissional/EBEP – Técnicos e EBEP – Qualificação Profissional.

O presidente da Fiep, Edson Campagnolo, explica que o processo de qualificação será realizado por meio do Serviço Social da Indústria (Sesi) e do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Ele lembra que o Brasil tem uma grande carência de mão de obra qualificada, principalmente na indústria, e que a profissionalização no período escolar é fundamental.
“Essa é uma oportunidade para que os estudantes conheçam como é o trabalho no setor industrial”, disse o presidente, destacando que o setor gera cerca de 800 mil empregos diretos no Paraná. Ele destacou que o governo estadual é um grande parceiro da Fiep e que diversas ações estão sendo realizados em conjunto nas áreas da indústria, educação e trabalho e emprego.



quinta-feira, 17 de novembro de 2011

ITV promove I Seminário de Formação Política do Paraná


Neste sábado (19), o Instituto Teotônio Vilela (ITV) promoverá o “I Seminário do ITV/PR para Formação Política” e Planejamento Estratégico de Trabalhos do ITV Paraná para 2012. O evento contará com a participação dos coordenadores regionais do ITV do Paraná, integrantes da executiva do PSDB e demais lideranças políticas. O governador Beto Richa também deve participar.

Na ocasião, o ITV Paraná vai apresentar o site do Instituto Teotônio Vilela e as novas diretrizes da comunicação do ITV no Estado.

O papel da formação política para a atuação eficaz dos líderes do Executivo e do Legislativo Paranaense será o tema central do evento. O Seminário de Formação Política tem por objetivo pensar ações estratégicas para o país nas áreas de saúde, segurança, infraestrutura, previdência e educação além de planejar os trabalhos do ITV Paraná para 2012.

O Instituto Teotônio Vilela do Paraná (ITV/PR) assume a responsabilidade de promover os Seminários Paranaenses sobre Formação Política, dando sequência às ações nacionais que visam discutir políticas para os mais variados segmentos da sociedade, buscando a participação de lideranças e, fundamentalmente, objetivando ampliar a base de conhecimentos daqueles que pretendem disputar as eleições municipais do ano de 2012. Com esta iniciativa, o ITV/PR cumpre com o importante papel de agir em prol dos cidadãos paranaenses, esperando contribuir com aqueles que passarão a definir os rumos das políticas municipais, em busca de melhores condições de vida para a população.

Serviço:
LOCAL: Assembléia Legislativa do Estado do Paraná
DATA: 19 de novembro de 2011
HORÁRIO: 9h às 12h

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Pensar é preciso

Só os fanáticos não têm dúvidas. Esta frase, se não é de Nelson Rodrigues, poderia ser. E, na política, só os covardes, acrescento, não têm convicções. Mas, entre a dúvida e a convicção, entre a tibieza e o sectarismo, descortina-se um amplo espaço para que floresçam a reflexão, a busca do conhecimento e o exercício da inventividade.

Relembro esse filósofo do cotidiano que foi Nelson Rodrigues, cético de carteirinha, não para me resignar ao imobilismo crônico que parece caracterizar a atual governança do país, mas, pelo contrário, para reagir à miudeza de um varejo político aprisionado na acomodação e voltado para o imediatismo. Ao grau zero de criatividade do continuísmo, cabe à oposição contrapor a responsabilidade cívica de pensar, ousar, debater, divergir e convergir.

Realizamos, há uma semana, no Rio, o seminário "A Nova Agenda: Desafios e Oportunidades", promovido pelo Instituto Teotônio Vilela, sob a coordenação dos economistas Elena Landau e Edmar Bacha.

O ITV é uma entidade partidária ligada ao PSDB. O seminário não o era. Quem teve a oportunidade de assisti-lo, de percorrer o repertório de propostas e ideias apresentadas por Pérsio Arida, Gustavo Franco, Armínio Fraga e Simon Schwartzman, entre muitos outros, compreendeu claramente que o ali proposto extrapola uma mera agenda de alternativa de poder.

Foi encerrado com brilhantismo por um Fernando Henrique renovado e provocativo, que não nos deixou esquecer que a oposição precisa vocalizar -"Ou fala ou morre", sentenciou com razão.

Afinal, há nove anos o Brasil é coadjuvante do seu próprio crescimento. Surfamos na onda da prosperidade mundial enquanto deu. Agora aguardamos, em perplexidade entorpecida, que a tormenta internacional se dissipe.

Ao governo, absorvido pelo cotidiano gerenciamento da governabilidade, falta o combustível da energia política capaz de conduzir as reformas estruturais -na economia, na administração pública, na educação, na infraestrutura-que fariam o Brasil mudar de patamar como nação.

Ouvimos formulações de alto alcance estratégico e outras de simplicidade desconcertante. Por exemplo, de como modernizar toda a malha ferroviária em operação no país com o dinheiro que está reservado para o inacreditável trem-bala; de como aumentar a remuneração da caderneta de poupança e do FGTS, impactando positivamente a poupança interna do país.

Refletiu-se sobre novos caminhos para superação da baixa qualidade da educação e saúde oferecidas nas redes públicas. Muitas ideias surgiram. Outras certamente virão. Que elas possam inspirar o novo e necessário debate que o Brasil e os brasileiros merecem.

Aécio Neves foi Deputado Federal, Governador de Minas Gerais e hoje é Senador pelo PSDB-MG

Texto extraído da Folha de São Paulo





domingo, 13 de novembro de 2011

Beto Richa anuncia criação de Secretaria do Esporte

O governador Beto Richa afirmou que irá enviar à Assembleia Legislativa mensagem para a criação da Secretaria Estadual de Esporte. A atual secretaria funciona em caráter especial e, a intenção do governador é que o órgão seja permanente, com orçamento próprio e equipe melhor estruturada. O anúncio foi feito na cerimônia que deu início à fase final dos 54.º Jogos Abertos do Paraná (Japs), em Toledo, Oeste do Estado, na noite de sexta-feira (11).

Richa disse que o esporte terá investimentos vigorosos durante o governo e elogiou a atuação do secretário Evandro Rogério Roman. “Vamos ter uma equipe que garantirá maior estrutura de trabalho e mais investimento no esporte paranaense”, explicou o governador. “O atual secretário e sua equipe estão garantindo estrutura para a prática esportiva no Estado, que possam incentivar esse hábito na população”, disse Richa, que garantiu praticar esporte sempre que sua agenda permite.

O secretário Roman elogiou os preparativos em Toledo. “Temos aqui a melhor estrutura pública de esporte do Paraná, o que nos tranquiliza para esse grande evento.” O governador anunciou que, no próximo ano, os atletas podem esperar mais estrutura por parte do Governo do Estado.

Iniciativa

O prefeito de Toledo, José Carlos Schiavinato, citou que, pela primeira vez, a competição é auxiliada por empresas como a Itaipu Binacional, Copel, Banco do Brasil, Caixa Econômica e Renault. As competições começaram na manhã deste sábado (12/11) e vão até o dia 20.

Participam da fase final dos Jogos Abertos do Paraná aproximadamente 4.500 atletas integrando 369 equipes de 78 municípios, competindo em 16 modalidades: atletismo, basquete, bocha, bolão, ciclismo, futebol, futsal, ginástica rítmica, handebol, judô, natação, tênis, tênis de mesa, vôlei, vôlei de praia e xadrez. Delegações presentes na cerimônia foram cumprimentadas pelo governador. “Sirvam de bom exemplo, principalmente às crianças e adolescentes”, disse o governador.

Os resultados das competições serão conhecidos em tempo real, pelo site jogosabertos.pr.gov.br. Os interessando poderão acompanhar on-line todos as disputas, média de 45 por rodada nas modalidades coletivas, além das provas individuais. A Televisão E-Paraná também fará cobertura ao vivo de vários jogos, nos vários sistemas de transmissão, incluindo pelo seu portal na internet.




quinta-feira, 10 de novembro de 2011

JPSDB inicia Programa de Formação Política

Iniciou-se na última segunda-feira, dia 08, o Programa de Formação Política da Juventude do PSDB de Curitiba. 

Coordenado pelo jovem cientista político Paulo Kruger, o programa visa principalmente capacitar a militância tucana para defesa de seus ideais partidários. Além disso, há interesse em trabalhar o partido em suas condições ideais, buscando o debate e o exercício da democracia no âmbito municipal, estadual e nacional.

O objetivo do programa é fortalecer e estruturar a JPSDB, estreitando os laços dos jovens membros filiados ao partido com as principais lideranças por meio de debates e mesas redondas. Através deste projeto, a JPSDB Curitiba pretende fomentar a construção de uma consciência democrática moderna e posicionar a Juventude Tucana frente aos temas de maior relevância discutidos por todo país.

Assim, fica o convite a todos os jovens tucanos para que participem deste programa, colaborando e enriquecendo os debates, além de aprofundar seus conhecimentos na ideologia social-democrata. 



quarta-feira, 9 de novembro de 2011

A degradação da UNE

Quase um ano depois de ter recebido R$ 30 milhões do governo Lula para construir sua sede na Praia do Flamengo, no Rio de Janeiro, a União Nacional dos Estudantes (UNE) até agora não conseguiu ir além da pedra fundamental, que foi lançada pelo presidente Lula da Silva em dezembro do ano passado. A concessão desse valor foi justificada por Lula como pagamento de indenização devida pelo Estado brasileiro pelos danos patrimoniais à entidade durante o regime militar.

Como a UNE não é uma entidade pública, o governo não podia transferir dinheiro dos contribuintes para custear as obras. A indenização por danos patrimoniais foi o expediente encontrado pelo governo Lula para contornar essa proibição legal. Primeiro, o governo reconheceu a responsabilidade da União na destruição do prédio da entidade, que foi incendiado em 1.º de abril de 1964. Em seguida, Lula autorizou a União a promover uma “reparação” no montante equivalente a seis vezes o valor de mercado do terreno.

É muito dinheiro, mas nada garante que os dirigentes da UNE terão a competência necessária para a obra sem precisar pedir mais dinheiro público, em troca de apoio político aos governantes de plantão.

Ao contrário do que ocorreu no passado, quando lutou efetivamente, tanto contra a ditadura Vargas quanto contra a dos militares, a UNE é hoje uma força auxiliar do governo e um reduto do PC do B. Desde a ascensão de Lula ao poder, em 2003, a UNE age como um órgão chapa-branca, apoiando todas as iniciativas administrativas e políticas do Palácio do Planalto.

Pelos serviços prestados, ficou com o direito de indicar antigos dirigentes da entidade para o Ministério do Esporte – vários deles envolvidos no escândalo de repasses irregulares de recursos públicos a ONGs fantasmas – e ganhou polpudas verbas tanto da administração direta como da indireta, sob a justificativa de divulgar programas dos Ministérios da Educação, da Saúde, da Cultura e da Igualdade Racial, promover “caravanas da cidadania” em universidades federais, realizar jogos estudantis e organizar ciclos de debates.

Só do Ministério do Esporte, a UNE ganhou um total de R$ 450 mil, entre 2004 e 2009, para promover eventos de “esporte educacional” e capacitação de gestores de esporte e lazer. Ao que parece, como os dirigentes da UNE transformam-se, em geral, em estudantes profissionais que não costumam frequentar salas de aulas, o lazer se converteu em sua principal “especialização”.

Desde 1995, quando começou a obter verbas governamentais, a UNE já recebeu mais de R$ 44 milhões dos cofres públicos. Do montante acumulado nesses 17 anos, 97,4% foram desembolsados durante os oito anos de governo do presidente Lula. Os 2,6% restantes foram repassados pelo governo do presidente Fernando Henrique. Os números foram coletados pelo site Contas Abertas, com base no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi).

A exemplo do que está ocorrendo com a maioria das ONGs financiadas pelo Ministério do Esporte, a maneira como a UNE gasta o dinheiro dos contribuintes também é, no mínimo, perdulária. Depois de identificar recibos frios e gastos com restaurantes de luxo e bebida importada nas contas da entidade, o Ministério Público Federal pediu as cópias das prestações de contas da entidade aos Ministérios e empresas públicas e sociedades de economia mista com que mantém convênios. E, no dia 6 de agosto, a Procuradoria-Geral do Ministério da Fazenda lançou a UNE como inadimplente no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal (Cadin).

Procurados para esclarecer o atraso da construção de sua sede com dinheiro público, os motivos das suspeitas do Ministério Público Federal e o que levou à inadimplência no Ministério da Fazenda, os dirigentes da entidade limitaram-se a afirmar que as obras da nova sede começarão em 2012 e que as verbas recebidas do governo têm sido gastas em “congressos e bienais da cultura”. Isso mostra a que nível de degradação política chegou a UNE.


Fonte: http://veja.abril.com.br/blog/augusto-nunes/o-pais-quer-saber/a-degradacao-da-une/



segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Corrupção e poder, por Fernando Henrique Cardoso

O novo ministro do Esporte, Aldo Rebelo, afirmou recentemente que os desmandos que ocorreram em sua pasta se devem a que as ONGs passaram a ter maior participação na concretização de políticas públicas. E sentenciou: ele só fará convênios com prefeituras, não mais com segmentos da sociedade civil. Ou seja, em vez de destrinchar o que ocorre na administração federal e de analisar as bases reais do poder e da corrupção, encontra um bode expiatório fora do governo.

No caso, quanto eu saiba, é opinião de pessoa que não tem as mãos sujas por desvios de recursos públicos. Não se trata, portanto, de simples cortina de fumaça para obscurecer práticas corruptas. São palavras que expressam a visão de mundo do novo ministro: o que pertence ao “Estado”, ao governo, é correto; o que vem de fora, da sociedade, traz impurezas… O mal estaria nas ONGs em si, não no desvio de suas funções nem na falta de fiscalização, cuja responsabilidade é dos partidos e dos governos.

Esse tipo de ideologia vem associado a outra perversão corrente: fora do partido e do governo nada é ético; já o que se faz dentro do governo para beneficiar o partido encontra justificativa e se torna ético por definição.
Repete-se algo do mensalão. Naquele episódio, já estava presente a ideologia que santifica o Estado e faz de conta que não vê o desvio de dinheiro público, desde que seja para ajudar os partidos “populares” a se manterem no poder. Com uma diferença: no mensalão desviavam-se recursos públicos e de empresas para pagar gastos eleitorais e para obter apoio de alguns políticos. Agora são os partidos que se aninham em ministérios e, mesmo fora das eleições, constroem redes de arrecadação por onde passam recursos públicos que abastecem suas caixas e os bolsos de alguns dirigentes, militantes e cúmplices.

A corrupção e, mais do que ela, o “fisiologismo”, o clientelismo tradicional, sempre existiram. Depois da redemocratização, começando nas prefeituras, o PT – e não só ele – enveredou pelo caminho de buscar recursos para o partido nas empresas de coleta de lixo e de transporte público (sem ONGs no meio…). Há, entretanto, uma diferença essencial na comparação com o que se vê hoje na esfera federal. Antes o desvio de recursos roçava o poder, mas não era condição para o seu exercício. Agora os partidos exigem ministérios e postos administrativos para obterem recursos que permitam sua expansão, atraindo militantes e apoios com as benesses que extraem do Estado. É sob essa condição que dão votos ao governo no Congresso. O que era episódico se tornou um “sistema”, o que era desvio individual de conduta se tornou prática aceita para garantir a “governabilidade”.

Dessa forma, as “bases” dos governos resultam mais da composição de interesses materiais que da convergência de opiniões. Com isso perdem sentido as distinções programáticas, para não falar nas ideológicas: tanto faz que o partido se diga “de esquerda”, como o PC do B, ou centrista, como o PMDB, ou de centro-direita, como o PR, ou que epíteto tenham, todos são condôminos do Estado. Há apenas dois lados, o dos condôminos e o dos que estão fora da partilha do saque. O antigo lema “é dando que se recebe”, popularizado pelo deputado Cardoso Alves no governo Sarney, referia-se às nomeações, ao apadrinhamento, que, eventualmente, poderiam levar à corrupção, mas em si mesmo não o eram. Tratava-se da forma tradicional, clientelista, de fazer política.

Hoje é diferente. Além da forma tradicional – que continua a existir -, há uma nova maneira “legitimada” de garantir apoios: a doação quase explícita de ministérios com as “porteiras fechadas” aos partidos sócios do poder. Digo “legitimada” porque desde o mensalão o próprio presidente Lula outra coisa não fez senão justificar esse “sistema”, como ainda agora, no caso da demissão dos ministros acusados de corrupção, aos quais pediu que tivessem “casca dura” – ou queria dizer caradura? – e se mantivessem no cargo. Num clima de bonança econômica, a aceitação tácita deste estado de coisas por um líder popular ajuda a transformar o desvio em norma mais ou menos aceita pela sociedade.

Pois bem, parece-me grave que, no momento em que a presidenta esboça uma reação a esse lavar de mãos, um ministro reitere a velha cantilena: a contaminação adveio das ONGs. Esqueceu que o governo tem a responsabilidade primordial de cuidar da moral do Estado. Não há Estado que seja por si só moral, nem partido que seja imune à corrupção pela graça divina. Pior, que não se possa tornar cúmplice de um sistema que se baseie na corrupção.

O “sistema” reage a essa argumentação dizendo tratar-se de “moralismo udenista”, referência às críticas que a UDN fazia aos governos do passado, como se ao povo não interessasse a moral republicana. Ledo engano. É só discutir o tema relacionando-o, por exemplo, com trapalhadas com a Copa para ver se o povo reage ou não aos desmandos e à corrupção. A alegação antimoralista faz parte da mesma toada de “legitimação” dos “malfeitos”. Não me parece que a anunciada faxina, embora longe de haver sido completa, tenha tirado apoios populares da presidenta.

O obstáculo a uma eventual faxina não é a falta de apoio popular, mas a resistência do “sistema”, como se viu na troca de um ministro por outro do mesmo partido, possivelmente também para preservar um ex-titular do mesmo ministério que trocou o PC do B pelo PT e hoje governa o Distrito Federal. Estamos diante de um sistema político que começa a ter a corrupção como esteio, mais do que simplesmente diante de pessoas corruptas.

Ainda há tempo para reagir. Mas é preciso ir mais longe e mais rápido na correção de rumos. E nesse esforço as oposições não se devem omitir. Podem lutar no Congresso por uma lei, por exemplo, que limite o número de ministérios e outra, se não a mesma, que restrinja ao máximo as nomeações fora dos quadros de funcionários. Por que não explicitar as condições para que as ONGs se tornem aptas a receber dinheiros públicos? Os desmandos não se restringem ao Ministério do Esporte, há outros na fila. Os dossiês da mídia devem estar repletos de denúncias. Não adianta dizer que se trata de “conspirações” contra os interesses populares. É da salvaguarda deles que se trata.

(*) O sociólogo Fernando Henrique Cardoso foi presidente da República (1994-2002). Artigo publicado em “O Estado de S. Paulo” no dia 6/11.

Fonte: http://www.psdbnacamara.com.br/wordpress/?p=43157

sábado, 5 de novembro de 2011

Beto Richa e Luciano Ducci lançam Bom Negócio Paraná




O governador Beto Richa e o prefeito Luciano Ducci lançam na noite de segunda, em Foz do Iguaçu, o programa Bom Negócio Paraná. O lançamento será durante a XXI Convenção Anual da Faciap, no Hotel Mabu. Richa também lançará o Banco do Empreendedor Paraná.

O objetivo dos projetos é fomentar as micro e pequenas empresas, visando ao desenvolvimento local dos municípios, especialmente daqueles menos desenvolvidos, através de ações voltadas para o incentivo à capacitação de empreendedores.


Richa e Ducci assinarão um termo de cooperação entre a Prefeitura de Curitiba e o Governo do Paraná para o programa Bom Negócio. O programa usará uma metodologia desenvolvida pela Agência Curitiba de Desenvolvimento que oferta um curso gratuito de 66 horas. O curso trabalha temas como empreendedorismo e projeto de vida, bem como gestão: negócios, pessoas, financeira, comercial e estratégica.

Já o Banco do Empreendedor Paraná, operado pela Agência de Fomento do Paraná, contará com a parceria de diversos atores voltados para o atendimento das micro e pequenas empresas, disponibilizando agentes de crédito nos municípios, orientando sobre o uso dos recursos e acompanhando os resultados de sua aplicação no negócio.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Ministério da Saúde faz do CuritibAtiva projeto nacional




As secretarias municipais da Saúde e do Esporte, Lazer e Juventude de Curitiba foram premiadas pelo Ministério da Saúde, nesta quinta-feira (3), em Brasília. O motivo foi a contribuição dada pelo programa intersetorial CuritibAtiva, responsável pelas 70 academias ao ar livre espalhadas pela cidade, para a concepção do programa nacional Academia da Saúde, lançado em 7 abril, Dia Mundial da Saúde.

A homenagem foi entregue pelo ministro Alexandre Padilha à secretária municipal da Saúde, Eliane Chomatas, durante a XI Mostra Nacional de Experiências Bem-Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças (Expoepi). Também foram homenageados os representantes de Recife, Aracaju, Belo Horizonte e Vitória, capitais que mantêm estratégias inspiradoras do novo programa federal.

Criado em 1998, o CuritibAtiva desenvolve aulas de práticas corporais orientadas, intervenções pedagógicas, avaliação e prescrição de atividades físicas para adultos e adolescentes acima de 16 anos. Até agosto deste ano, o programa contabilizou mais de 71 mil participações nas aulas e atividades de orientação sobre a prática de atividades físicas e saudáveis.

Academias ao Ar Livre – Coordenadas pelo programa CuritiAtiva e parte de um grande e amplo projeto para estimular a prática de atividades físicas em Curitiba, as academias ao ar livre começaram a ser implantadas no município em 2010.

“O desenvolvimento de Curitiba está ligado diretamente a qualidade de vida de seus moradores. Com as academias ao ar livre, estimulamos a prática de atividades física, que melhora a auto-estima, reduz a pressão alta e fortalece a musculatura”, disse o secretario municipal do Esporte, Lazer e Juventude, Marcello Richa.

Os equipamentos não têm peso e usam apenas a força do próprio corpo para exercícios de musculação e alongamento. Além de melhorar a condição física e qualidade de vida da população, os equipamentos também ajudam na prevenção de doenças.

A utilização das academias ao ar livre é indicada principalmente para pessoas da terceira idade, que perdem naturalmente um pouco da força muscular com o passar dos anos, mas podem ser usados por qualquer pessoa. Para sua utilização correta, basta seguir as instruções básicas afixadas em um painel próximo.

Trabalho conjunto - Além da oferta de equipamentos e programas para atividade física desenvolvidas pela Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude, a Prefeitura de Curitiba tem desenvolvido um trabalho com ênfase na alimentação equilibrada e na reeducação alimentar. As ações, orientadas pelo Ministério e pela Secretaria Municipal da Saúde são essenciais à prevenção e ao controle de doenças crônicas como diabete e hipertensão arterial.

“A meta é que, cuidando da própria saúde com a ajuda de hábitos como exercitar-se, comer bem, não fumar e ter lazer, as pessoas tenham mais qualidade de vida e dependam menos de consultas médicas, exames e medicamentos”, afirma a secretária da Saúde Eliane Chomatas.

Para promover saúde e prevenir doenças crônicas, a secretaria da Saúde de Curitiba conta ainda com 29 Núcleos de Apoio em Atenção Primária à Saúde (Naaps), formados por professores de educação física, nutricionistas, psicólogos, farmacêuticos e fisioterapeutas.

São as equipes que cuidam e ajudam as pessoas a entender e praticar a saúde integral. Esses profissionais atuam nos grupos e reeducação alimentar, a partir de cada unidade de saúde, para adultos, crianças e idosos; grupos de atividade física. Também, a partir das Unidades de Saúde, os interessados podem praticar atividades físicas nos Espaços Saúde disponíveis.



quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Virada Cultural de 2011 terá Jair Rodrigues, Almir Sater, Sá e Guarabyra

Jair Rodrigues, Almir Sater, Hamilton de Holanda, Ultraje a Rigor, Sá e Guarabyra são algumas das atrações da segunda Virada Cultural de Curitiba, que acontecerá no dia 5 de novembro, com mais de 24 horas ininterruptas de espetáculos, em três grandes palcos montados no Centro da cidade.

“A Virada Cultural é uma grande mobilização social em torno da música e do entretenimento. Com certeza o sucesso da Virada de 2010, quando mais de 140 mil pessoas assistiram aos shows, se repetirá neste ano, com grande participação da população", diz o prefeito Luciano Ducci.

Em 2010, o público se encantou com as apresentações do Rei Roberto Carlos, do Tremendão Erasmo Carlos, de Paulinho da Viola, Hermeto Pascoal e Orquestra Sinfônica do Paraná, Pato Fu, Mart’nália, Sandra de Sá, Arrigo Barnabé e Orquestra À Base de Sopro, entre outras atrações.

As atrações da Virada Cultural de 2011 foram divulgadas pela Fundação Cultural de Curitiba nesta quarta-feira (19). "É uma programação para agradar as famílias curitibanas, com grandes artistas e grupos locais, valorizando a produção artística da nossa cidade", afirmou a presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Roberta Storelli.

A Virada terá início às 11h do dia 5, com a abertura da exposição Anita Malfatti, no Museu Oscar Niemayer (MON), e terminará às 21h de domingo (6). A Virada é o ponto alto da programação da Corrente Cultural, uma parceria entre instituições públicas e privadas, que levará diversos espetáculos aos bairros de Curitiba, até 12 de novembro.

A programação da Virada Cultural inclui também shows com Marcelo Jeneci - que se apresentou no Rock in Rio -, Copacabana Club, A Banda Mais Bonita da Cidade, Orquestra Sinfônica do Paraná com Hamilton de Holanda e o Vocal Brasileirão, que se apresentará com Sá e Guarabyra.

Os palcos para shows serão montados na Rua Riachuelo, nas Ruínas de São Francisco e na Praça da Espanha. De hora em hora, o público terá como opções espetáculos teatrais, exposições, performances, instalações, atividades literárias, sessões especiais de cinema, entre outras atividades que tomam conta das praças, teatros, museus, bares, restaurantes, num total de 84 espaços diferentes.

Corrente Cultural - A Corrente Cultural é uma parceria entre a Secretaria de Estado da Cultura, Prefeitura e Fundação Cultural de Curitiba, Sistema Fecomércio, Sesc Paraná, Sistema Fiep, Sesi, Caixa Econômica Federal, Universidade Federal do Paraná, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Universidade Católica do Paraná, E-Paraná Rádio e Televisão Educativa do Paraná, Goethe-Institut, Aliança Francesa, Instituto Cervantes, Consulado Geral a Polônia e Consulado Geral da Itália.

“É na construção de parcerias que a cultura se estabelece.É possível construir uma cidade melhor por meio da cultura”, afirma a presidente da Fundação Cultural, Roberta Storelli. O secretário de Estado da Cultura, Paulino Viapiana, destaca a importância do movimento pela diversidade de enfoques e ações oferecidas ao público. “Durante a Corrente, a cultura se torna o foco das atenções, reforçando sua importância na formação da cidadania. O público tem a oportunidade de conhecer e aproveitar tudo aquilo que a cidade oferece”, diz.

Cultura da Paz - Este ano, a Virada acontece na data em que é celebrado o Dia Nacional da Cultura, tendo como tema “Viva a cultura da paz”. Os organizadores tomaram como referência o manifesto da Unesco “Por uma cultura da paz e da não violência”, que sintetiza ações e atitudes que devem ser adotadas pelas nações para promover a paz, entre elas, a defesa da liberdade de expressão e da diversidade cultural.

Outro documento que serviu de base para o lema da Virada foi a Carta Cultural Ibero-americana, que afirma o valor da cultura como base indispensável para o desenvolvimento integral do ser humano e para a superação da pobreza e da desigualdade social.

De acordo com a presidente da Fundação Cultural, o Dia Nacional da Cultura foi instituído na década de 1970, mas sempre passou despercebido. “A partir de agora queremos, com a Corrente Cultural, chamar a atenção para a importância dessa data e da valorização da cultura”.

Para Roberta Storelli, a Corrente e a Virada Cultural são exemplos de uma iniciativa que envolve a sociedade e se alinha aos princípios estabelecidos nos manifestos da Unesco e dos países latino-americanos, na medida em que é responsabilidade de todos colocar em prática os valores e condutas que inspirem a paz e a valorização das manifestações culturais.

Parcerias - O diretor regional do Sesc Paraná, Dimas Fonseca, reforça a importância da participação da sociedade civil organizada. “O Sistema Fecomércio Sesc Senac, mantido por empresários e com foco nos serviços voltados ao comerciário, tem uma preocupação muito forte com a cultura. Assim, firmamos parcerias como esta, para sempre fazermos parte de grandes ações, a exemplo da Corrente Cultural”.

O diretor superintendente do Sesi Paraná, José Antonio Fares, destaca que a Corrente Cultural, pelo fato de oferecer uma programação ampla, diversificada e gratuita, contribui para envolver até mesmo pessoas que não têm o hábito de participar de eventos desta natureza. “Isso é muito importante, porque arte e cultura são essenciais para o bem-estar das pessoas, para torná-las mais abertas à convivência e ao relacionamento social e afetivo”, afirma Fares. “Isso é base para a construção de uma sociedade harmoniosa e pacífica.”

Ele lembra que a Mostra Sesi Bandas, que a entidade levará à Virada Cultural, foi cuidadosamente preparada, inclusive com curadoria, para os jovens, que é o público para o qual a entidade tem dado ênfase na sua atuação, nesta área. “Acreditamos que toda organização deve assumir a responsabilidade de construir um país saudável, a partir de cidadãos saudáveis. Acreditamos, também, que a cultura seja uma ferramenta poderosa para isso. Daí a importância que damos à participação na Corrente Cultural de Curitiba”, declara Fares.

Serviço:

A programação da Corrente Cultural está disponível no site: www.correntecultural.com.br