sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Jovem e Dinâmico


A Juventude Tucana de Curitiba convida a todos os amigos, militantes e filiados para participarem do evento Jovem e Dinâmico a se realizar no dia 7 de março de 2012, às 19:30h no Plenarinho da ALEP.

A realização deste evento abre o calendário de atividades da JPSDB Curitiba no ano de 2012 com a exposição das metas apresentadas visando a Formação Política, o debate de Políticas Públicas, a mobilização do Movimento Estudantil, a orientação Jurídica para o pleito eleitoral, de maneira positiva e dinâmica, como o PSDB faz!

Contamos com a presença de todos!
Jovem e Dinâmico!

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Comitê Intergestor de PPJ´s: um marco na administração pública do Paraná

Por Edson Lau Filho 
 
Nessa segunda (13) o noticiário paranaense foi repleto de temas que dominaram as rodas de discussão, desde a Boca Maldita até às Cataratas: a visita do Ministro Aldo Rebelo às obras da Copa de 2014, o passamento do Bispo Dom Ladislau, o incêndio do Ouro Verde em Londrina, as pesquisas que agitaram a corrida eleitoral em Maringá, enfim, dia turbulento.
Entretanto, uma interessante notícia passou sem o devido destaque na imprensa local, apesar de ser digna de nota e de muitos elogios: o Secretário do Esporte, Lazer e Juventude de Curitiba, Marcello Richa, assinou o decreto n°186/2012, que designa os membros que irão compor o Comitê Intergestor de Políticas Públicas de Juventude.
O Comitê terá a função de assessorar os órgãos da administração pública municipal, oferecendo suporte à elaboração, efetivação, planejamento e criação de diretrizes que visem o cumprimento integral das ações e políticas públicas de juventude. Uma conquista para a juventude curitibana. Porém esse ato vai além, é um marco na administração pública do Paraná.
A moderna prática administrativa da transversalidade e o conceito de rede estão representados no objetivo e no desenho de funcionamento deste comitê. Esses conceitos já são aplicados em alguns programas bem sucedidos na própria Prefeitura da capital paranaense, como: o “Família Curitibana” e o “Comunidade Escola”. O grande diferencial é o fato de o Comitê Intergestor de Políticas Públicas de Juventude ser além de um programa, uma ferramenta administrativa de articulação e integração, que potencializará ações já existentes, e que eventualmente tenham sombreamento entre secretarias, com isso, conforme observado na experiência do Governo do Estado de Goiás, iremos ainda mais longe, será possível otimizar a aplicação dos recursos.
Essa é a primeira vez na história da administração pública do Paraná que uma política de direitos, como a política pública de juventude tem a sua transversalidade reconhecida através de uma lei.
Sinto-me honrado em fazer parte dessa equipe, desde a proposta idealizada pelo Secretário, surgida após uma de suas reuniões para discussão de políticas públicas de juventude com gestores de outros estados, e, principalmente agora, como membro deste Comitê. Estamos no caminho certo.


Edson Lau Filho, Assessor Técnico da Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude de Curitiba e Presidente da Juventude do PSDB do Estado do Paraná. Foi Diretor de Formação Política e Secretário-Geral da Juventude do PSDB do Paraná, Secretário-Geral da Juventude do PSDB de Curitiba e duas vezes Presidente da Casa do Estudante Luterano Universitário.

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Juventude tem Comitê de Políticas Públicas




O secretário municipal do Esporte, Lazer e Juventude, Marcello Richa, assinou na manhã desta segunda-feira (13) o Decreto Municipal n.º 186/2012, que designa membros para compor o Comitê Intergestor de Políticas Públicas de Juventude de Curitiba. O evento aconteceu na Prefeitura de Curitiba e contou com a participação de todos os membros indicados para participar do comitê.

“A criação do Comitê irá potencializar os projetos e ações destinadas à juventude, desenvolvidas por todos os órgãos municipais, buscando atender os principais anseios dos jovens e estimular sua participação como agentes da construção e transformação da sociedade”, disse Marcello Richa.

O Comitê Intergestor de Políticas Públicas de Juventude terá como principal função assessorar os órgãos da administração pública municipal, oferecendo suporte à elaboração, efetivação, planejamento e criação de diretrizes que visem o cumprimento integral das ações e políticas públicas de juventude.

O secretário Marcello Richa presidirá o Comitê, que será composto por 17 membros: um presidente; um secretário executivo e 15 representantes de órgãos municipais que atuam diretamente com a criação e execução de políticas públicas de juventude.

Também participaram do evento os secretários municipais do Governo Municipal, Luiz Fernando Jamur; da Antidrogas, Hamilton Klein; dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Irajá de Brito Vaz e os vereadores Serginho do Posto e Felipe Braga Côrtes.

Saiba quem são membros do Conselho Intergestor de Políticas Públicas de Juventude de Curitiba:

Secretaria Municipal do Esporte, Lazer e Juventude
- Marcello Richa (Presidente)
- Joari Stahlschmidt (Secretário Executivo)
- Leandro Nunes Meller (Titular - SMELJ)
- Edson Lau Filho (Suplente – SMELJ)

Secretaria Municipal da Educação
- Tatiana Gonçalves Petry (titular)
- Luciano Martins de Oliveira (suplente)

Secretaria Municipal da Saúde
- Luciana Elisabete Savaris (titular)
- Célia Pinheiro Benevides Gadelha Leite (suplente)

Fundação de Ação Social
- Maria Vanderléia Garcia Santos (titular)
- Eloá Cecy Barroso Serpa (suplente)

Agência Curitiba de Desenvolvimento S/A
- Samira Khelini Haiduk (titular)
- Christine Jakobi (suplente)

Fundação Cultural de Curitiba
- Roberto Alves dos Santos (titular)
- Vivonéia Rodrigues Nunes (suplente)

Secretaria Municipal do Trabalho e Emprego
- Jennifer Fiorenzani Fernandes Rodrigues (titular)
- Joni Correia (suplente)

Secretaria Municipal Extraordinária de Relações com a Comunidade
- Marcos Aurélio Bonato (titular)
- Newton Zanon (suplente)

Secretaria Municipal do Abastecimento
- Maria Prado Leite (titular)
- Izabel Cristina Chinasso (suplente)

Secretaria do Governo Municipal
- Rita de Cássia R. Cavatorta (titular)
- Cilmara Rosa Batista (suplente)

Urbanização de Curitiba S/A
- Ismael Bagatin França (titular)
- Luiz Aurélio Virtuoso (suplente)

Secretaria Municipal do Meio Ambiente
- Samira El Ghoz Leme (titular)
- Jean Brasil (suplente)

Secretaria Especial dos Direitos da Pessoa com Deficiência
- Ricardo Antonio Bemergi Turini (titular)
- Patrícia Stratmann (suplente)

Secretaria Antidrogas Municipal
- Rosane Ferrante Neumann (titular)
- Angelita Izabel da Silva (suplente)

Instituto Municipal de Turismo
- Luiza Naome Suguimati (titular)
- José Carlos Moletta (suplente)





O PT e as privatizações

Por Aécio Neves

Toda mudança para melhor deve ser saudada. Por isso, devemos reconhecer como positiva, ainda que com o atraso de uma década, a privatização dos aeroportos.

Porém, uma pergunta é inevitável: por que, afinal, esperamos tanto? O governo, por inércia, permitiu que se instalasse o caos nos aeroportos e só reagiu diante da aproximação da Copa, alimentando a ideia de que só age sob pressão e tem na improvisação uma de suas marcas.

Talvez isso explique terem privatizado sem exigir garantias mínimas compatíveis com operações desse porte. Pouco parece importar se há entre os vencedores crônicos inadimplentes em outros mercados ou mesmo quem não tivesse condições de conseguir financiamento junto ao mesmo BNDES, em operação de muito menor porte.

Privatizaram fingindo não privatizar e ignoraram a oportunidade de buscar contrapartidas óbvias que pudessem garantir, em um mesmo lote, a modernização de aeroportos mais e menos rentáveis. Prevaleceu a lógica do maior ágio e do interesse comercial dos grupos privados em detrimento das populações de regiões onde os investimentos serão menos atrativos.

Por tudo isso, é desleal o ataque histriônico do PT às privatizações do governo FHC. Desleal porque em nenhum momento o programa de concessões ou privatizações foi interrompido. São as leis brasileiras que obrigam o uso de concessões em determinados serviços e não a ideologia petista, como tentam fazer crer, em risível contorcionismo verbal, alguns líderes do partido.

No governo FHC também foram feitas concessões como na área de energia elétrica. Da mesma forma que nos aeroportos, ao final do prazo de outorga os ativos retornarão à União. Aliás, é exatamente o que se discute agora -a renovação ou não de outorgas concedidas naquele período.

O episódio da privatização dos aeroportos, no qual serão usados recursos públicos do BNDES e dos fundos de pensão, prática demonizada pelo PT, que neles via um mero instrumento de financiamento do lucro privado, traz à tona uma outra indagação cada vez mais comum entre os brasileiros: afinal, o que pensa e qual é o PT de verdade? O do discurso ou o da realidade? O que lutou contra a Lei de Responsabilidade Fiscal, o Proer e o Plano Real ou o que os elogia hoje?

O PT dos paladinos da ética ou o do recorde de ministros derrubados por desvios? O que ataca as privatizações ou o que as realiza? O que, na oposição, defende de forma indiscriminada todo tipo de greve ou o que, no governo, reage a elas?

No mais, vale registrar: a insistência do PT em comparar modelos de privatização é bem vinda. Até porque não deixa de ser divertido ouvir o PT discutir quem privatiza melhor.