sexta-feira, 30 de maio de 2014

Mais Policiais Militares em Curitiba, Maringá, Londrina, Cascavel e Ponta Grossa.



"Mais 362 policiais militares e bombeiros foram apresentados à população de Maringá. Esse grupo está pronto para atuar nas ruas e para zelar pela segurança das pessoas de bem. Desde o início do nosso governo, priorizamos a área da segurança pública e hoje posso afirmar que estamos cumprindo as metas estabelecidas pelo programa Paraná Seguro. Até o fim desta semana teremos mais 2500 policiais militares em Curitiba, Maringá, Londrina, Cascavel e Ponta Grossa e fecharemos 2014 com 10 mil novos homens incorporados ao afetivo da PM. É a maior contratação de profissionais da história do Estado num período de 4 anos. No governo anterior foram contratados três mil profissionais."


Fonte: www.facebook.com/BetoRichaOficial

quinta-feira, 29 de maio de 2014

O estrabismo e a miopia do governo federal, por Beto Richa


Cresce a descrença no governo federal. Os motivos? Estrabismo e miopia. 

A visão estrábica é um artifício usado para persuadir a sociedade brasileira de que tudo vai bem. Onde há um, o governo enxerga dois e tenta nos convencer de que essa ilusão de ótica é um fenômeno verdadeiro. 
A miopia não carece de maiores explicações. É um problema crônico que afeta por completo os atuais detentores do poder federal. Trata-se de uma gestão na qual ninguém consegue enxergar muito longe, a não ser para tirar algum proveito individual.

Essa visão reduzida e distorcida tem causado sérios danos ao País. E não são poucos. Um exemplo: no mesmo sentido do descontentamento generalizado na condução do País, decrescem os investimentos de empreendedores nacionais ou internacionais no setor industrial brasileiro.

De acordo com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), durante o período da presidente Dilma a produção industrial, na maioria dos Estados, permaneceu estagnada, quando não caiu. O setor enfrenta má situação financeira e é pequena a perspectiva de crescimento no curto e no médio prazos.
A não ser por algumas intervenções pontuais, como a redução de impostos para ramos específicos, pouco se fez para apoiar este importante setor de nossa economia. O nível de emprego na indústria brasileira acumulou perdas por dois anos seguidos entre 2011 e 2013 e a produção fabril segue em baixa, reforçando a tese da desindustrialização do País levantada desde que o PT assumiu a presidência.

Apesar das distorções do governo, há oportunidades de atrair investimentos, pois empreendedores seguem acreditando no Brasil. Prova disso é o histórico processo de industrialização que vivemos no Paraná. Graças a uma política de incentivos inovadora, nosso Estado hoje recebe um dos maiores investimentos privados do País. É a nova fábrica da Klabin, projeto de R$ 8 bilhões.

A ele se somam outros R$ 22 bilhões que estão sendo aplicados por dezenas de empresas que acreditaram na condução de uma política séria de estimulo ao investimento produtivo. Dos R$ 30 bilhões atraídos ao Paraná em três anos, R$ 4 bilhões foram captados no mês passado, fruto de negociações com três grandes companhias.

O Grupo Petrópolis vai instalar uma cervejaria e uma maltaria no interior do Estado, além de assumir duas unidades de processamento de soja. O valor do investimento é de R$ 2,2 bilhões. A Volvo vai injetar R$ 1,2 bilhão na ampliação da fábrica paranaense e a Renault confirmou mais R$ 800 milhões no Complexo Airton Senna e a instalação de um centro logístico para a América Latina.

Este estágio de ampliação e diversificação do parque fabril paranaense cria 180 mil novas oportunidades de trabalho no Estado, a imensa maioria no interior. Esta é uma das nossas grandes conquistas, fruto de premissas como diálogo, respeito e segurança jurídica, que são a marca de nosso governo. 
Além de alterações da política fiscal, atuamos em mais quatro frentes: internacionalização e comércio exterior, infraestrutura e logística, capacitação de mão-de-obra e desburocratização. Com isso, foi possível reinserir o Estado na agenda dos investidores, da qual o Paraná ficou absolutamente afastado por quase uma década.

O Paraná não é uma ilha e, claro, é contaminado pela falta de visão no âmbito federal. Mas temos mostrado diferenciais. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE) mostra que a produção industrial paranaense cresceu 18,4% de janeiro para fevereiro deste ano, ante a alta de 0,4% para a média nacional.

São números que revelam que quando se cria um ambiente propício ao investimento produtivo a economia reage. No Brasil, a lição que deveríamos estar fazendo é deixar de penalizar quem empreende. Para isso, é preciso olhar para frente e retirar obstáculos que não nos permitem alçar voos mais altos que o de uma galinha.

Os problemas que inibem maiores investimentos no País são conhecidos. Entre eles se destacam a alta carga tributária, falta de infraestrutura e de qualificação dos trabalhadores e as estratosféricas taxas de juros. 

O desalento é reforçado pela absoluta inércia do governo federal em tratar as demais reformas estruturantes. Se não transformarmos a realidade nacional, mesmo os Estados que têm bons indicadores, como é o nosso caso, sofrerão declínio. Este não é um vaticínio pessimista, é um alerta, pelo bem do Brasil.



Fonte: http://www.psdb-pr.org.br/noticias/o-estrabismo-e-a-miopia-do-governo-federal-por-beto-richa

Quem assombra o Brasil são os fantasmas do PT



* Ademar Traiano


O PT resolveu apelar para propagandas terroristas para tentar exorcizar o espectro da derrota. Fantasmas do passado estariam rondando os brasileiros e ameaçando voltar com um cortejo de males que o petismo teria erradicado. Só rindo.

Quem assombra o Brasil são os fantasmas da corrupção e incompetência do PT. Uma parte dessas entidades sobrenaturais está hoje na Papuda, mas, muitas delas, estão por aí dando sustos nas pessoas de bem. Não há patrimônio público seguro enquanto tais fantasmas petistas continuarem a assombrar o país.

Um exemplo da sobrenatural incompetência petista. O Brasil ganhou o selo internacional de erradicação da dengue em 1958 (56 anos atrás!). Por descuido, descaso e desleixo a doença voltou. Nos anos do PT ela se instalou de volta com toda a força. Entre 2002 e 2013, o Brasil bateu o recorde mundial de casos de dengue, com 7 milhões de pessoas infectadas.

E o que dizer dos PACs? Os vários Programas de Aceleração do Crescimento, que se tornaram piadas pelo fato que nunca cumprem qualquer espécie de cronograma, tem obras superfaturadas e muitas vezes não saem sequer do papel. O símbolo maior do PAC é a fantasmagórica transposição das águas do São Francisco.

O PAC só parece funcionar em Cuba (Programa de Aceleração de Cuba?). O BNDES já repassou mais de R$ 1 bilhão a empreiteira que está modernizando o Porto de Mariel, na ilha dos Castro. Um negócio tão nebuloso que sobre ele foi decretado em sigilo de 30 anos, sob a alegação que poderia "levantar questionamentos desnecessários".

E a Copa que deveria mostrar ao mundo a pujança do Brasil do PT e acabou sendo um mostruário das mazelas brasileiras? Das 167 metas programadas pelo Mundial, só 68 foram alcançadas. Os aeroportos que devem receber os turistas estrangeiros são exemplo tragicômico. A maioria não concluiu as obras, foram feitos vários puxadinhos, estão cobertos por goteiras e poeira.

No mesmo dia em que o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, afirmou que os turistas devem se sentir seguros no Brasil, sua ex-mulher e sua filha foram vítimas de uma tentativa de assalto. O fracasso na segurança pública é atestado por dados aterradores. Em 2012 o país registrou 56.337 homicídios. Em 13 anos da sangrenta Guerra do Vietnã os americanos tiveram 58.203 baixas...

Outro fantasma petista, talvez o mais assustador de todos, porque compromete o nosso futuro e o de nossos filhos, é a perda de competitividade. O Brasil perdeu mais três posições no ranking mundial de competitividade do IMD em 2014. Com isso, o Brasil se consagra entre as dez piores nações do mundo.

O Brasil ocupa na 54ª posição do levantamento, que conta no total com 60 países. O Brasil do PT só está à frente de Eslovênia, Bulgária, Grécia, Argentina, Croácia e Venezuela. O país perdeu 16 posições e saiu do nível mediano de países para figurar entre as nações menos competitivas do mundo.

Os países mais competitivos são Estados Unidos, Suíça, Cingapura, Hong Kong, Suécia, Alemanha, Canadá, Dinamarca e Noruega. A situação do Brasil assusta porque o país não apenas regride como perde pontos nas expectativas econômicas.

O desastre petista segue um roteiro bastante conhecido pelos economistas. Primeiro o país perde eficiência governamental, em infraestrutura e na dinâmica da economia. Essa catástrofe acaba contaminando o setor empresarial.

Muitas vezes as empresas são eficientes do portão para dentro, assim como o agronegócio brasileiro é competitivo da porteira para dentro, mas depois perde capacidade de competir por problemas de infraestrutura.

Quase todos os países latino-americanos, que seguem, em maior ou menor grau, o ridículo modelo bolivariano (uma espécie de esquerdismo-troglodita), perderam posições no ranking da competitividade. É a competitividade que vai determinar o futuro desses países.

O fato é que o Brasil tomou um caminho errado em 2002 e as consequências desse erro são cada vez mais evidentes. Já está mais que na hora de fazer uma correção de rota.


*Ademar Traiano é deputado estadual pelo PSDB do Paraná e líder do governo na Assembleia Legislativa.
Fonte: http://www.traiano.com.br/noticia.php?idnoticia=1035

terça-feira, 27 de maio de 2014

Ativismo Eleitoral e Digital em São José dos Pinhais.

A Juventude Tucana de São José dos Pinhais convida a todos para a palestra de Ativismo Eleitoral e Digital, que acontece nesta terça-feira (27), às 19h.


segunda-feira, 26 de maio de 2014

Convite - Primeira Zonal do PSDB em Curitiba

Convidamos a todos para participarem do encontro regional e posse da executiva da Primeira Zonal do PSDB em Curitiba, que acontecerá nesta segunda-feira (26), às 19h, no Clube Urca.